Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 18/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 18/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 18/11 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 18/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 18/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 18/11 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 16/11 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 16/11 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Presidente do Irã chega à Suíça para tentar salvar acordo nuclear

media O presidente iraniano Hassan Rohani REUTERS/Danish Siddiqui

O presidente do Irã, Hassan Rohani, chegou nesta segunda-feira (2) à Suíça, onde inicia uma viagem para tratar do futuro do acordo nuclear, assinado em julho de 2015, e abandonado pelos Estados Unidos há dois meses.

O presidente iraniano ficará dois dias na Suíça. Na quarta-feira (4), ele desembarcará em Viena, na Áustria, onde o documento foi assinado pelas potências ocidentais, há três anos. A visita representa uma "oportunidade para tratar do futuro do acordo", afirmou Rohani no Aeroporto de Mehrabad. "Esta viagem tem uma importância primordial", declarou o porta-voz do ministério iraniano das Relações Exteriores, Bahram Ghassemi, que lembrou da "retirada dos Estados Unidos e as intensas negociações entre Irã e Europa para preservar o acordo".

A viagem acontece dois meses depois do presidente americano Donald Trump ter decidido, de maneira unilateral, a retirada de Washington do acordo. A decisão irritou os demais países signatários: China, França, Alemanha, Reino Unido e Rússia. A Áustria assumiu no domingo (1) a presidência semestral da UE e a Suíça representa os interesses americanos no Irã. Washington e Teerã não possuem relações diplomáticas.

Irã pede que empresas mantenham atividades no país

Neste sábado (30),Teerã pediu às empresas estrangeiras instaladas no Irã que não cedam às ameaças de sanções dos Estados Unidos, e disse que conversou com as montadoras francesas PSA e Renault para continuarem suas atividades no país.  Ao anunciar em 8 de maio que os Estados Unidos se retiravam do acordo internacional sobre o programa nuclear iraniano em 2015, o presidente americano Donald Trump declarou que restabeleceria as sanções contra a República Islâmica, que tinham sido levantadas devido a este texto. No setor automobilístico, essas sanções têm que ser restauradas em 6 de agosto. Renault e PSA vendem cerca da metade dos novos carros registrados no Irã.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.