Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 24/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 24/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 24/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 24/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 24/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 24/09 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 23/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 23/09 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • Luka Modric é eleito melhor jogador de 2018 pela Fifa
França

Suspeita de emprego fantasma de mulher de Fillon fere imagem do candidato

media O candidato presidencial da direita francesa, François Fillon, foi acusado por um jornal francês de empregar como funcionária fantasma a própria esposa, Penelope. REUTERS/Charles Platiau/File PhotoO candidato presidencial da di

A imprensa francesa dedica suas manchetes nesta quinta-feira (26) aos últimos acontecimentos relacionados com a campanha presidencial francesa. A justiça abriu uma investigação que compromete a candidatura do conservador François Fillon, favorito nas sondagens.

O escândalo envolvendo a mulher do candidato conservador François Fillon, do partido Os Republicanos (LR), inspira editoriais em vários jornais. A justiça francesa abriu uma investigação por suspeita de "desvio de dinheiro público" contra a mulher do candidato, Penelope. Ela é suspeita de ter ocupado um emprego fantasma e de ter recebido cerca de 600 mil euros sem trabalhar, como assessora parlamentar do marido na Assembleia Nacional.

A denúncia foi publicada ontem pelo jornal Le Canard Enchaîne. Fillon rebate as acusações e afirma que entregará à justiça provas de que a mulher de fato trabalhou para ele, quando foi deputado (1998-2002), e posteriormente para seu suplente.

Para o jornal de esquerda Libération, se as suspeitas de que Penelope Fillon nunca compareceu ao trabalho na Assembleia forem comprovadas, será difícil o candidato, favorito da direita nas próximas eleições, dar a volta por cima a três meses da votação. O Libération lembra que "Fillon se apresenta como o candidato que representa a integridade em pessoa: honesto, sóbrio, rigoroso e guardião da moral pública".

O diário católico La Croix estima que o escândalo deve servir, mais uma vez, à reflexão sobre a contratação de familiares de políticos, sejam de direita ou de esquerda. Mesmo se a lei autoriza esse tipo de contratação, "é uma prática muito discutível e que deveria ser melhor regulamentada", diz o La Croix.

Aujourd'hui en France também critica o que considera "um velho hábito" da classe política francesa. "Esse sistema que consiste em empregar um familiar como assessor com dinheiro público é a herança de um nepotismo arcaico que acaba de manchar a imagem de François Fillon", escreve o diário popular.

O liberal Les Echos considera o caso um "golpe duro" para Fillon, que "arranha a imagem de homem íntegro 'que tem a coragem de falar a verdade aos franceses', o slogan de campanha do candidato". "Claro que ele terá a ocasião de se explicar e de provar sua boa fé; claro que a presunção de inocência deve incitar à prudência, mas as revelações fragilizam uma campanha que penava para entrar no ritmo", avalia o jornal.

Primárias socialistas

A imprensa também comenta o debate entre os finalistas da primária socialista francesa, o ex-premiê Manuel Valls e Benoît Hamon. O tom do encontro na TV foi cordial, mas Hamon e Valls deixaram bem claras suas divergências em relação a temas importantes para os franceses, como a laicidade, a política energética e o futuro do mercado de trabalho, notam os editorialistas.O debate, ocorrido na noite de quarta-feira (26), foi centrado na renda básica universal, defendida por Hamon.

Uma pesquisa do instituto Elabe para o canal BFM TV aponta Hamon como vencedor do duelo televisivo. Defensor de medidas sociais de redistribuição de renda, Hamon, ex-ministro da Educação, foi o mais convincente para 60% dos entrevistados, contra 37% de preferência declarada por Manuel Valls. O segundo turno acontece no próximo domingo.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.