Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/04 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/04 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/04 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/04 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 19/04 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 19/04 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/04 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/04 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Governo francês concede asilo político para líder do Femen

media A ativista feminina do grupo Femen, Inna Shevchenko REUTERS/Charles Platiau

O governo francês concedeu asilo político para a líder ucraniana do Femen, Inna Shevchenko, que vive em Paris e coordena as ações do grupo feminista, conhecido pelas suas polêmicas manifestações em topless.  

Segundo a militante, de 23 anos, o pedido de asilo foi feito em fevereiro e recebido recentemente. As autoridades francesas não puderam confirmar a informação, que é considerada "confidencial" pelo escritório de Proteção dos Refugiados e Apátridas. De acordo com os documentos da militante, a decisão foi tomada no dia 9 de abril.

A escolha da França, diz, foi estratégica, porque para desenvolver o movimento, "precisamos de um lugar, de um país", disse.Ela também lembrou que sofre ameaças em seu país por ter cortado uma cruz ortodoxa com uma serra elétrica, em apoio às integrantes do grupo punk Pussy Riot, condenadas por cantar uma ‘’oração punk’’ contra o presidente Putin na catedral de Moscou.

Desde então, as ações se multiplicaram: entre elas uma manifestação dentro da catedral Notre Dame, em Paris, ou ainda na Tunísia em apoio à jovem Amina Sbouï, onde três ativistas foram condenadas a quatro meses de prisão e liberadas no dia 27 de junho.

Inna chegou na França em agosto de 2012 com um visto de turista. Neste mesmo ano, o grupo criou em Paris o primeiro "centro de treinamento" do novo feminismo. As ações em topless visam denunciar o sexismo, a homophobia, a prostituição e a religião.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.