Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 12/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 12/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 12/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 12/12 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 12/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 12/12 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 09/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 09/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Annegret Kramp-Karrenbauer substitui Merkel na liderança da CDU

media Annegret Kramp-Karrenbauer sucede a Angela Merkel na liderança da CDU. REUTERS/Fabian Bimmer

Annegret Kramp-Karrenbauer é a mais nova presidente do partido União Democrática-Cristã (CDU), ocupando o lugar que antes era de Angela Merkel. A política de 56 anos é considerada a herdeira da chanceler alemã e vem sendo chamada de “ mini-Merkel” pela oposição.

A ex-ministra, presidente da região Land de Sarre recolheu 517 dos 999 votos registrados, depositados nas urnas pelos representantes do partido, reunidos em um congresso realizado em Hamburgo. Friedrich Merz, o outro candidato que a enfrentou no segundo turno, recolheu 482 votos.

Annegret Kramp-Karrenbauer, cujo nome é grande demais até para os jornais alemães, ficou conhecida apenas pelas iniciais “AKK”. A nova líder tem lutado para afastar outro apelido: o de “mini-Merkel”. “Tenho 56 anos, criei, com o meu marido, três filhos, há 18 anos tenho responsabilidades políticas. Não tenho nada de ‘mini’”, afirmou.

Expandir o centro

Annegret Kramp-Karrenbauer declarou que não irá parar a guinada do partido à direita, na esperança de conquistar os eleitores mais conservadores que acabaram se aproximando de partidos de extrema direita. Para ela, é preciso “expandir o centro”, já que o partido tem perdido também eleitores para os ecologistas.

Apesar de ser comparada com Merkel, é mais conservadora em termos sociais, e, ainda que concorde com a política para os refugiados da chanceler, tem defendido medidas mais duras, como a de deportar requerentes de asilo que tenham cometido crimes e “nunca mais os deixar pisar em solo europeu”. Em termos de política de trabalho, é mais à esquerda até do que Merkel, defendendo o salário mínimo nacional.

Em sua região, Kramp-Karrenbauer precisou trabalhar com o partido Verde e os liberais do FDP, e por isso é vista como alguém que poderá ser útil em Berlin, local onde coalisões são de praxe.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.