Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/02 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/02 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/02 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/02 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/02 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/02 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 17/02 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 17/02 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • Em entrevista, Jean Wyllys diz que viverá como estudante em Berlim
Europa

Neurotóxico que envenenou ex-espião russo teria sido transportado por sua filha, diz jornal britânico

media Matéria do jornal britânico The Telegraph desta sexta-feira, 16 de março. Reprodução The Telegraph

O jornal britânico The Telegraph publicou em sua edição desta sexta-feira (16) que o Novitchok, agente neurotóxico que envenenou o ex-espião russo Serguei Skripal e sua filha Yulia, em 4 de março, teria sido colocado em uma das malas da jovem, que visitava o pai em Salisbury, sul da Inglaterra. Yulia fez o trajeto Moscou-Londres de avião no dia 3 de março, indica o diário.

O caso abala as relações diplomáticas não apenas entre o Reino Unido e a Rússia, mas também entre Moscou e vários países europeus e Estados Unidos. Nessa quinta-feira (15), Londres, Paris e Washington publicaram um comunicado comum, afirmando que a responsabilidade de Moscou é a única explicação plausível para o caso.

O secretário-geral da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), Jens Stoltenberg, exigiu nesta sexta-feira que a Rússia "coopere" no caso de Skripal, dizendo que a aliança "não quer uma nova Guerra Fria". "Nós temos o que eu chamaria de uma abordagem de dois sentidos para a Rússia", disse ele em entrevista à BBC.

"Por um lado, há dissuasão, defesa e, por outro lado, diálogo, porque não queremos uma nova Guerra Fria, não queremos uma nova corrida de armamentos", reiterou. "A Rússia é nossa vizinha, então devemos continuar a lutar para melhorar nossas relações com ela", insistiu, dizendo que "o isolamento da Rússia" não pode ser uma "alternativa".

Resposta russa

A Rússia expulsará diplomatas britânicos em resposta à expulsão de 23 de seus diplomatas decidida pelo governo britânico, anunciou nesta sexta-feira o ministro das Relações Exteriores.

"Certamente, vamos fazer", declarou o chanceler russo Serguei Lavrov ao ser questionado sobre a resposta de Moscou às sanções britânicas.

Após chamar a posição de Londres de "absolutamente irresponsável", o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, afirmou na quinta-feira (15) que o presidente Vladimir Putin, atualmente em campanha eleitoral para a disputa presidencial de domingo (18), terá a última palavra sobre a intensidade da resposta russa.

Convidado de honra ignorado

Nessa quinta-feira (15) o presidente francês Emmanuel Macron decidiu não visitar o pavilhão oficial da Rússia, convidada de honra no Salão do Livro de Paris, o maior evento literário da França. “Eu decidi não ir ao setor oficial da Rússia em solidariedade com os nossos amigos britânicos", disse o presidente depois de uma visita ao evento.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.