Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/08 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 20/08 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 20/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/08 15h00 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/08 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/08 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • Polícia da Espanha encontra 120 botijões de gás para "um ou vários atentados" em Barcelona
Europa

Theresa May tenta tranquilizar investidores em Davos sobre Brexit

media Sede do HSBC no distrito financeiro de Canary Wharf, leste de Londres, Grã-Bretanha. REUTERS/Hannah McKay/File Photo

A primeira-ministra britânica, Theresa May, tentou nesta quinta-feira (19) tranquilizar a elite econômica mundial em Davos, dizendo que seu país "continuará aberto às empresas e ao talento". A declaração é feita dois dias depois de May oficializar sua escolha por um desligamento total da União Europeia, o que tem sido chamado de "hard Brexit", e de empresas anunciarem o fechamento de postos de trabalho em Londres.

"As empresas, grandes e pequenas, são a espinha dorsal das nossas economias. É por isso que o Reino Unido é, e sempre será, um país aberto aos investimentos em nossas empresas, infraestruturas e universidades. Aberto àqueles que querem comprar os nossos produtos e serviços. E aberto ao talento e às oportunidades", declarou a primeira-ministra britânica no Fórum Econômico Mundial de Davos.

May voltou a dizer que não dará as costas "aos amigos europeus" e que o país optou apenas "por tomar suas próprias decisões e se abrir mais ao mundo". Ela assegurou que o Reino Unido continuará a ser a "grande nação de comércio global que é por instinto".

Bancos vão transferir atividades de Londres

Vários bancos de peso mundial, como HSBC, JP Morgan e Goldman Sachs, anunciaram nos últimos dias a intenção de transferir parte de suas atividades para outras capitais do bloco ou Nova York, na perspectiva de terem suas operações prejudicadas pelo Brexit. A migração envolve 1.000 postos de trabalho no HSBC, 4.000 empregos no JP Morgan e 3.000 vagas no Goldman Sachs. "Os impactos do Brexit permanecem desconhecidos, mas há uma linha clara: é para todo mundo", disse Davos Jan van Neuwenhuizen, do banco holandês Rabobank.

O prefeito de Londres, Sadiq Khan, também alertou que os bancos irão deixar a cidade. "A realidade é que eles provavelmente irão para Hong Kong, Singapura ou Nova York. Um Brexit duro se tornar uma perda para Londres, o Reino Unido e para a União Europeia também", disse Khan.

No plano político, o chanceler francês, Jean-Marc Ayrault, rebateu hoje as críticas do colega Boris Johnson, que comparou a França à Alemanha nazista ao querer "aplicar um castigo" nos britânicos por causa do Brexit. Ayrault disse que a França não tem a intenção de punir o Reino Unido.

Em Davos, o ministro alemão das Finanças, Wolfgang Schauble, adotou a mesma linha, dizendo: "Nós não devemos iniciar as negociações em tom de ameaças mútuas".

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.