Ouvir Baixar Podcast
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 16/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 15/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 15/10 09h36 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 14/10 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 14/10 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Filme “maldito” provoca tensão entre Festival de Cannes e produtor português

media O diretor Terry Gilliam tenta estrear seu filme há anos. REUTERS/Neil Hall

O Festival de Cannes criticou nesta segunda-feira (30) o produtor português Paulo Branco, que pediu à justiça a proibição do filme "O Homem que Matou Dom Quixote", do cineasta Terry Gilliam, que faz parte da programação do evento. Marcado por uma série de acidentes, o projeto começou a ser rodado há 18 anos e até hoje não pôde ser projetado.

A pouco mais de uma semana da abertura da 71ª edição do Festival de Cannes, os organizadores do evento são confrontados a uma saia justa: a projeção do filme que conta a história de Dom Quixote, e que deveria ser apresentado no encerramento da programação, pode ser anulada.  A trama está no centro de uma queda de braço jurídica entre o diretor Terry Gilliam e o produtor Paulo Branco, que comprou os direitos da obra por meio de sua empresa Alfama Films, baseada na França.

Ao adquirir os direitos, o português havia se comprometido, entre outras coisas, a manter as datas de filmagem e respeitar as decisões artísticas do diretor. No entanto, uma série de desentendimentos entre as duas partes levaram o produtor a suspender o projeto.

Diante do impasse, Gilliam se associou à produtora espanhola Tornasol, com quem concluiu o projeto. Em seguida, o diretor entrou com um processo na Justiça francesa para anular o contrato de cessão de seus direitos. Desde então, Paulo Branco tenta vetar a projeção do filme.

Os organizadores do festival francês explicaram nesta segunda-feira que conheciam o processo em andamento, mas que, em momento algum, a projeção do filme em Cannes havia sido contestada. Segundo eles, o advogado de Branco estaria “procedendo a intimidações e afirmações risíveis e grotescas”.

A Justiça deve se pronunciar no dia 7 de maio, véspera da abertura do Festival. “Nós vamos respeitar a decisão” caso a projeção seja proibida, declarou a direção do evento. Porém, os organizadores deixaram claro que “continuam do lado dos cineastas”. “Os artistas precisam de nosso apoio e não de ataques”, completaram, lembrando que o filme, “já enfrentou muitos obstáculos”.

Ator principal morreu antes da estreia

Este episódio judicial prolonga um pouco mais a "maldição" que atinge há quase duas décadas "O homem que matou Dom Quixote". Em 2000, o diretor teve que interromper a filmagem de sua adaptação livre da célebre obra de Miguel de Cervantes, interpretada por Jean Rochefort, Johnny Depp e Vanessa Paradis. Entre os contratempos, a equipe enfrentou inundações no set de gravação e até uma hérnia de disco sofrida pelo já falecido ator francês, que fazia o papel principal. As peripécias do diretor para tentar terminar as filmagens viraram até um outro filme, documentário, intitulado “Lost in La Mancha”, lançado em 2002.

Gilliam tentou ressuscitar o projeto em várias ocasiões, deparando-se com a falta de financiamento, até conseguir filmar o longa no ano passado. "O homem que matou Dom Quixote" também tem estreia prevista os cinemas no dia 19 de maio, dia do encerramento do Festival de Cannes.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.