Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 16/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 16/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 16/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 16/12 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 16/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 16/12 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 15/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 15/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

84 mil francesas sofrem violências sexuais todos os anos

media Apenas 10% das mulheres que sofrem agressão sexual na França prestam queixa na polícia. Getty Images/DElight

O número é chocante: a cada ano, 84 mil mulheres adultas são estupradas ou sofrem tentativa de estupro na França. O dado consta em um relatório do Alto Conselho para a Igualdade entre Mulheres e Homens (HCE, sigla em francês), divulgado nesta quarta-feira (5).

Na França, 98,2% das vítimas de violência sexual são mulheres. Entre as 84 mil francesas que são alvo deste tipo de agressão, todos os anos, apenas 10% presta queixa na polícia. O documento também revela que 16% das francesas na faixa etária entre 18 e 75 anos já foi vítima de violência sexual ao menos uma vez na vida.

Tão grave quanto o alto número de agressões, aponta o HCE, é a falta de punição dos agressores: apenas um a cada 100 é condenado. O perfil dos autores dos crimes determinados pelo Código Penal francês é assustador: 83% das mulheres que sofreram violência sexual conhece seu agressor; 31% deles é companheiro da vítima.

Tolerância social

No relatório, o Alto Conselho para a Igualdade entre Mulheres e Homens critica a "tolerância social" na França em relação à violência contra a mulher, "um fenômeno de sociedade cuja gravidade é subestimada". O desdém em relação ao problema leva a maioria das vítimas a optar pelo silêncio e não denunciar os agressores.

Para encorajar as francesas a procurar as autoridades em caso de violência sexual, o HCE disponibiliza um trabalho de acompanhamento às vítimas. Em entrevista ao jornal Le Parisien, a presidente da organização, Danielle Bousquet, indica que, quando apoiadas, as mulheres prestam três vezes mais queixa do que as que devem enfrentar sozinhas o trauma do estupro.

Outras ongs de proteção aos direitos das mulheres também lutam para combater o problema no país. É o caso do Coletivo Feminista contra o Estupro (CFCV, sigla em francês) que recebe cerca de 15 pedidos de ajuda por dia. A demanda é praticamente a mesma na maioria dos casos, de francesas que não sabem como agir em caso de agressão sexual e que se sentem impotentes diante das autoridades e dos agressores.

Campanha nacional

Danielle Bousquet espera que o relatório motive o governo francês a realizar uma grande campanha nacional para sensibilizar a sociedade sobre a gravidade das violências sexuais. A previsão é que um plano sobre a questão seja apresentado no dia 25 de novembro.

"Ainda não temos a consciência de que o estupro é um crime grave, passível de punição na Justiça. Esse fenômeno massivo, de homens contra mulheres, atinge 84 mil francesas todos os anos. Diante disso, é preciso acelerar uma mobilização", disse, em entrevista ao Le Parisien.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.