Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 20/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 20/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 20/11 14h00 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 20/11 08h30 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 19/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 19/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 19/11 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 17/11 08h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Terremoto na Coreia do Norte: China suspeita de teste nuclear

media Sismólogo aponta epicentro do primeiro terremoto provocado pelo teste nuclear norte-coreano. AFP

Um tremor de magnitude 3,5 na escala Richter foi registrado neste sábado (23) na Coreia do Norte, levando o governo chinês a suspeitar de um novo teste nuclear. Já os sismólogos sul-coreanos apontam para um evento natural.

O Instituto Geológico dos Estados Unidos (USGS) indica que o epicentro do tremor deste sábado aconteceu a 20 kms de um centro de testes nucleares norte-coreano. Ali o regime detonou, no início do mês, seu sexto e mais potente artefato nuclear, que provocou um terremoto de 6,3 graus, sentido na China.  

"O evento de hoje aconteceu na área onde já foi realizado um teste nuclear. Não podemos confirmar no momento a natureza (natural ou humana) do tremor. A profundidade foi estimada pelos sismólogos em 5 km", afirmou o USGS em um comunicado.

Especialistas regionais diferem em suas análises sobre o tremor. O Serviço Sísmico Chinês classificou o evento como uma explosão suspeita, enquanto que os especialistas sul-coreanos acreditam num terremoto natural.

"Não há possibilidade de que isso tenha sido um tremor artificial", afirmou a agência sul-coreana Yonhap citando uma fonte do Serviço Sismológico da Coreia do Sul.

Retórica belicista

O tremor deste sábado acontece em um contexto de extrema tensão entre a Coreia do Norte e os Estados Unidos pelo programa nuclear norte-coreano, com uma escalada verbal entre o dirigente norte-coreano Kim Jong-Un e o presidente americano Donald Trump.

O presidente americano usou seu discurso na Assembleia Geral da ONU para alertar que Washington destruirá "totalmente a Coreia do Norte" se os Estados Unidos ou seus aliados forem atacados.

A Coreia do Norte, que afirma que precisa de armas nucleares para se defender da ameaça de uma invasão dos Estados Unidos, respondeu com um inesperado discurso de Kim, que descreveu Trump como alguém com "transtornos mentais", além de alertar que ele "pagará caro" por sua ameaça.

Na quinta-feira (21), Washington anunciou novas sanções contra empresas e indivíduos que negociarem com a Coreia do Norte, um primeiro passo para medidas punitivas contra companhias chinesas e de outros países.

Briga de Jardim de Infância

Rússia e China pediram, por sua parte, que cesse a escalada retórica entre Washington e Pyongyang.

Na semana passada, contudo, o ministro norte-coreano das Relações Exteriores declarou aos jornalistas que Pyongyang poderá explodir uma bomba de hidrogênio fora de seu território.

Os analistas acreditam que o teste nuclear do início de setembro teve uma potência de 250 quilotons, isto é, 16 vezes mais potente que a bomba que os Estados Unidos usaram para destruir Hiroshima em 1945.

(Com agência AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.