Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 26/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 26/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 26/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 25/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 25/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 25/09 15h00 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 24/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 24/09 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Após seis anos de guerra na Síria, Assad se mantém no poder

media Combatentes do Exército Sírio na periferia da cidade de al-Bab, no norte da Síria, controlada pelo Estado islâmico. EUTERS/Khalil Ashawi

Seis anos depois do início do conflito na Síria, o governo de Bashar al-Assad continua no poder, graças à Rússia e ao Irã, seus principais aliados. A oposição perdeu seu reduto em Aleppo para o líder sírio e as negociações lançadas em fevereiro pela comunidade internacional em Genebra continuam bloqueadas.

Segundo o último balanço do Observatório Sírio dos Direitos Humanos, o conflito já deixou 1 milhão de feridos, 320 mil mortos e cerca de 5 milhões de refugiados e 13,5 milhões de pessoas dependentes da ajuda humanitária.

De acordo com o UNICEF, 2016 foi um ano particularmente trágico para as crianças sírias: 652 morreram, sendo que 255 delas foram assassinadas nas escolas ou perto delas. Mais de 850 também foram recrutadas para combater no conflito.

Para lembrar esse triste aniversário, a Anistia Internacional lançou uma campanha intitulada “Justiça para a Síria”, pedindo aos governos que coloquem fim à impunidade. A ONG pediu à comunidade internacional que apoiasse e financiasse as investigações sobre os crimes de guerra no país, adotada em dezembro de 2016 pelas Nações Unidas.

Apesar desse balanço trágico, Bashar al-Assad, que chegou a ser acusado de utilizar armas químicas num ataque em Damasco em 2013, segue no poder, beneficiado pelo avanço do grupo Estado Islâmico e a luta contra o terrorismo. Mas mesmo agora, com a retomada dos territórios entre a Síria e o Iraque pela coalizão internacional e as forças iraquianas, Assad descarta totalmente a ideia de deixar o poder.

Oposição e governo se encontram no Casaquistão

Paralelamente, nesta quarta-feira, uma delegação de representantes da oposição síria é esperada em Astana, a capital do Casaquistão, anunciou o ministério das Relações Exteriores do país. A oposição deve se encontrar com representantes da Rússia, Turquia e Irã. Os opositores sírios criticam os ataques russos nas áreas rebeldes e o desrespeito ao cessar-fogo pelas forças sírias.

EUA enviam soldados

Em março, as Forças Armadas americanas anunciaram o envio de centenas de soldados à Síria, um apoio aos cerca de 500 militares da administração Obama. As forças americanas apoiam  as forças democráticas sírias na luta contra os jihadistas do grupo Estado Islâmico. Washington deve gerenciar um conflito entre dois aliados: as forças curdas e a Turquia, membro da OTAN, que não esconde suas intenções de participar na retomada de Raqqa. Mas a estratégia de Trump no conflito, ainda parece indefinida. Analistas se questionam se ela vai se limitar à guerra contra o grupo EI ou assumirá uma posição mais direta contra o líder Bashar al-Assad.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.