Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 15/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 15/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 14/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 14/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 14/11 09h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Exército da Nigéria liberta 160 mulheres e crianças raptadas pelo Boko Haram

media Nigeriana é consolada após ser libertada pelo exército REUTERS/Afolabi Sotunde

O exército nigeriano libertou nesta quinta-feira (30) 160 mulheres e crianças após uma operação contra o grupo islamita Boko Haram na região da floresta de Sambisa, no nordeste do país, dois dias depois da libertação de 293 reféns na mesma região. "Ainda estamos tentando contabilizar as pessoas salvas. Mas há 60 mulheres de todas as idades e quase 100 crianças", afirmou à France Presse o porta-voz militar, Sani Usman.

Uma refém e um soldado morreram na operação, e oito reféns e quatro militares ficaram feridos. O porta-voz não divulgou um balanço de vítimas entre os integrantes do Boko Haram.

Trabalhos forçados e escravidão sexual

Na terça-feira (29), o exército já havia anunciado a libertação de 200 adolescentes e de 93 mulheres, que eram mantidas como reféns nos acampamentos do Boko Haram na mesma floresta. O exército não informou se entre as reféns estão algumas das 219 adolescentes sequestradas em uma escola de Chibok em 14 de abril de 2014.

De acordo com a Anistia Internacional, quase 2 mil mulheres foram sequestradas pelo grupo terroristas e submetidas a trabalhos forçados e escravidão sexual. Algumas foram obrigadas a combater na frente de batalha com os militantes islamitas, de acordo com depoimentos ouvidos pela Anistia. Segundo uma fonte, as mulheres libertadas esta semana eram usadas como "escudos humanos" contra as operações do exército.

 
O tempo de conexão expirou.