Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/07 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/07 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Egito executa simpatizante de presidente deposto

media Desde que o ex-chefe das Forças Armadas e atual presidente Abdel Fattah al-Sissi (foto) depôs Mohamed Mursi, o novo regime reprime a oposição no Egito. REUTERS

O Egito executou por enforcamento neste sábado (7), pela primeira vez, um simpatizante do presidente deposto Mohamed Mursi, afastado do poder por um golpe militar em julho de 2013. O militante Mahmoud Ramadan havia sido condenado à morte por um tribunal de Alexandria no ano passado, junto com outro manifestante. Os dois foram acusados e considerados culpados de empurrar jovens egípcios do alto de um prédio durante uma manifestação anti-Mursi.

Desde a queda de Mursi, centenas de simpatizantes do ex-presidente conservador islâmico e membros da Irmandade Muçulmana, uma organização partidária presente em vários países do Oriente Médio, foram condenados à morte. Os julgamentos são cercados de controvérsia pela rapidez com que as sentenças foram decididas, assim como a aplicação massiva contra 500, 700 pessoas de uma única vez.

Logo após a queda de Mursi, o ex-chefe das Forças Armadas, que comandou o golpe, e depois foi eleito presidente do Egito, Abdel Fattah al-Sissi, lançou uma repressão sangrenta contra os defensores de um governo islâmico para o Egito. A repressão provocou 1.400 mortes.  Cerca de 15 mil simpatizantes de Mursi foram detidos pelo atual regime. A Irmandade Muçulmana foi declarada "organização terrorista" pelas autoridades em dezembro passado.

O governo de al-Sissi é acusado pela oposição de instrumentalizar a justiça em julgamentos arbitrários, em que centenas de pessoas são condenadas à morte em poucos minutos. O presidente deposto é alvo de vários processos judiciais, assim como os principais líderes da Irmandade Muçulmana. Mursi corre o risco de ser condenado à pena de morte em quatro casos.

 
O tempo de conexão expirou.