Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 15/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 15/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 14/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 14/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 14/11 09h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Geral

Esplanada das Mesquitas reabre para oração semanal muçulmana

media Palestinos da cidade de Hebron, na Cisjordânia, protestam contra a proibição do acesso à Esplanada das Mesquitas, nesta sexta-feira (31). REUTERS/Mussa Qawasma

A Esplanada das Mesquitas foi reaberta na madrugada desta sexta-feira (31) para a grande reza semanal dos muçulmanos. Ontem, o governo israelense tomou a decisão raríssima de fechar o local sagrado em Jerusalém Oriental, diante da escalada de tensão entre palestinos e a polícia.

Apesar da reabertura, as forças de ordem de Israel optaram por proibir o acesso à Esplanada aos homens com menos de 50 anos. Eles não poderão, portanto, participar da reza, prevista para o fim da manhã.

Centenas de policiais patrulham as ruas de Jerusalém Oriental hoje. A freqüentação na região da Esplanada é controlada por forças de ordem. Os turistas, que geralmente são numerosos no bairro muçulmano, quase não eram vistos nessa manhã.

Desde 1967, quando Jerusalém Oriental foi ocupada e anexada, essa foi a primeira vez que Israel decidiu fechar o acesso ao local, um dos três mais importantes para o Islã, mas que também é venerado por judeus.

Tensão

Depois de vários dias de tensão, a situação na cidade se degenerou mais ainda na quarta-feira (29), depois de uma tentativa de assassinato de Yehuda Glick, um dirigente da direita judaica ultranacionalista.

O suposto agressor, o palestino Muataz Hijazi, foi morto pela polícia em sua casa, na manhã de ontem e, logo em seguida, houve uma série de confrontos entre jovens palestinos e forças de ordem.

Na madrugada de quinta para sexta-feira, a situação se acalmou um pouco. Houve apenas algumas manifestações esparsas e três palestinos foram presos. Mas Israel sabia que, se não abrisse a Esplanada das Mesquitas para a prece semanal, a relativa paz poderia desaparecer rapidamente.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.