Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Condenação de cardeal francês tem impacto mundial na Igreja

media Capa do jornal Libération desta sexta-feira, 8 de março de 2018. DR

Na resenha da imprensa francesa desta sexta-feira (8) as reações, após a condenação do cardeal de Lyon por não denunciação de casos de pedofilia por um padre de sua diocese. A decisão da Justiça de condenar na quinta-feira (7) o cardeal Philippe Barbarin a seis meses de prisão com direito a sursis provoca uma onda de choque na Igreja Católica francesa, destaca em sua primeira página Le Figaro. Para Libération, ela tem um “impacto mundial”.

O jornal conservador diz que o impacto da sentença foi ainda maior porque o Ministério Público não tinha pedido nenhuma pena contra o religioso, no final do julgamento ocorrido em janeiro. O cardeal Barbarin anunciou que irá a Roma pedir pessoalmente demissão ao papa Francisco. Paradoxalmente, ele vai recorrer da sentença, informa o jornal conservador.

Libération traz um dossiê especial sobre o caso e diz em sua manchete que essa condenação soa como uma advertência contra a Igreja. A justiça pune “um fora da lei do silêncio”. O cardeal sabia dos abusos cometidos pelo padre Bernard Preynat e não os denunciou.

O padre é suspeito de ter abusado de dezenas de escoteiros, menores de idade, nos anos 80, e ainda não foi julgado.

Decisão notável e inesperada

Para Libération, a decisão de condenar Barbarin foi notável e deve contribuir para liberar os testemunhos contra essa prática antiga e enraizada na instituição. A condenação foi também inesperada. Em 2016, a justiça francesa havia arquivado um primeiro processo contra o cardeal, argumentando que os fatos tinham prescrito e que o crime não tinha fundamento.

Por enquanto, o Vaticano se absteve de qualquer comentário sobre o caso que teve um impacto mundial. Ele é mais uma arma na queda de braço entre as associações de vítimas e o papa para que a Cúria Romana sancione de maneira exemplar os cardeais que acobertam esses crimes.

A cúpula na igreja sobre pedofilia, cardeais incriminados por abusos ou por não denunciar agressões, expulsão do sacerdócio do cardeal americano condenado... a lista começa a parecer uma hecatombe nas fileiras dos poderosos da igreja, uma hecatombe que fragiliza o papa Francisco, acredita Libération.

Vítima que provocou a queda de Barbarin

Le Parisien entrevistou a vítima responsável pela queda do cardeal francês Barbarin. Em 2014, Alexandre Dussot-Hezez teve uma audiência com o cardeal para denunciar um fato que o revoltava. Na ocasião, ele revelou ao religioso que foi abusado pelo padre Preynat quando era criança e que não entendia como tantos anos depois o religioso continuasse trabalhando em contato com crianças. O cardeal não informou à Justiça e o padre pedófilo só foi suspenso em 2015.

Foi esta denúncia da vítima ao cardeal, que não está prescrita, que possibilitou a condenação de ontem. “A sentença mostra que a igreja não está acima das leis”, comemorou Alexandre Dussot-Hezez nas páginas do Le Parisien. Cofundador da associação La Parole Liberée (A Palavra Liberada), ele afirma que vai continuar seu combate contra a pedofilia na igreja.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.