Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 13/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 13/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 13/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 13/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 13/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 13/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 12/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 12/11 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Avião faz pouso de emergência por causa de “passageiro violento” na França

media Homem foi levado a uma instituição psiquiátrica Reproução Twitter

Um Boeing 737-800, da companhia Transavia, que fazia o trajeto de Paris à Túnis, na Tunísia, teve que fazer um pouso de emergência na cidade de Nice, na tarde de quinta-feira (24), para desembarcar um “passageiro violento”, que tentou agredir o chefe de cabine. Em imagens divulgadas nas redes sociais pelos outros viajantes, é possível ver policiais retirando um homem que gritava “Allahou Akbar” (“Alá é maior”, em árabe).

O comandante de bordo descreveu o passageiro como sendo “particularmente preocupante”. O avião pousou às 18h30 no aeroporto de Nice-Côte d’Azur, no sul da França, afirmou a polícia ao site France Info nesta sexta-feira (25).

O passageiro, um tunísio de 30 anos, foi detido após o pouso do avião. Ele será hospitalizado num estabelecimento psiquiátrico, segundo o procurador de Nice. De acordo com as testemunhas, ele tentou fazer uma oração dentro da aeronave.

No vídeo divulgado no Twitter, o homem é tirado à força por policiais, gritando “Allahou Akbar”. Também é possível ouvir o comandante de bordo intervir para explicar a situação. Veja abaixo as imagens da ação:

Tráfego aéreo complicado

Essa não é a primeira vez que o tráfego aéreo francês tem problemas. No dia 5 de setembro de 2018, 150 passageiros de um voo da cidade argelina Orã com destinação a Perpignan, no sul da França, tiveram que permanecer no avião por mais de uma hora por causa da suspeita de que uma criança a bordo estaria com cólera.

O bebê, sua mãe e parentes foram evacuados a um hospital para passar por uma bateria de exames. Horas depois, as autoridades anunciaram que não se tratava da doença. O avião, da companhia aérea ASL Airlines, aterrissou pela manhã em Perpignan.

Além desse caso, uma epidemia de cólera contaminou cerca de 74 pessoas e fez dois mortos na Argélia, no segundo semestre de 2018.

Já no dia 2 de novembro do ano passado, um voo Air France, que partiu de Paris para Ho-Chi-Minh, no Vietnã, foi obrigado a dar meia-volta, segundo uma informação divulgada pela rádio Europe 1.

O voo AF258 decolou do aeroporto Roissy-Charles-de-Gaulle, em Paris, às 13h10, mas depois de algumas horas, “o capitão anunciou que não tinha autorização para sobrevoar a uma parte da Rússia e que voltaríamos para Paris”, disse uma passageira entrevistada pela rádio francesa.

A decolagem aconteceu sem incidentes, mas, apesar de uma tentativa de pouso em Varsóvia, na Polônia, a aeronave retornou a Paris, seis horas depois. Alguns passageiros foram colocados em outros voos. Segundo a companhia Air France, uma pane no sistema de rotas poderia ter causado o incidente.

"O fim de outubro, todos os anos, é marcado por mudanças nos horários dos voos. É possível que a rota tenha escolhida para esse voo tenha sido fechada involuntariamente em razão de uma pane", disse uma porta-voz da companhia.

A proibição não atinge todos os voos que passam pelo espaço aéreo russo para chegar à Àsia, mas apenas o AF258, que sobrevoa uma parte do país por onde normalmente não passam outros aviões da companhia. Segundo o canal BFM TV, Air France deverá retirar a rota do catálogo utilizado pela companhia para estabelecer o itinerário.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.