Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 20/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 20/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
França

Comoção diante do Petit Cambodge, restaurante alvo de atentado

media Parisienses colocam flores diante do restaurante Le Petit Cambodge em homenagem às vítimas do atentado. Daniel Finnan

Moradores e jornalistas do mundo inteiro se concentraram, desde a manhã deste sábado (14), na esquina da rue Bichat com a rue Alibert, no 10° distrito de Paris, para tentar entender o inconcebível. No local, um dos visados pelos atentados, dois homens armados abriram fogo na noite de sexta-feira (13) contra os clientes do bar Le Carrillon e do restaurante Le Petit Cambodge, matando entre 12 a 14 pessoas.

Os dois estabelecimentos estão fechados por determinação da polícia. As marcas dos tiros são visíveis nas janelas do Le Carrillon. A porta de ferro do Le Petit Cambodge impedia ver os sinais do atentado contra o restaurante.

Os parisienses, e principalmente moradores do bairro, colocaram flores, velas e mensagens nas calçadas em homenagem às vítimas. A emoção é grande. Clientes abraçavam o dono e os funcionários do Le Carrillon que assistiam esta manhã da porta dos fundos do bar o movimento no local. Ainda chocados pelas cenas de horror da véspera, os empregados do local preferiram não falar com a imprensa.

O restaurante La Cantine de Quentin, no início da rue Bichat, abriu suas portas neste sábado, mas quase não tinha clientes, assim como outros estabelecimentos nas redondezas do Canal Saint-Martin, região normalmente muito movimentada em um sábado e conhecida por sua vida boêmia durante todo o fim de semana. "Podíamos ter sido o alvo dos atentados. Não trabalhamos à noite, mas abrimos excepcionalmente ontem para um evento privado. Esses atentados foram organizados de longa data", disse Damien Hennebois, para quem "a vida continua".

Uma das homenagens às vítimas colocada em frente ao Le Carrillon resume o estado de espírito dos parisienses: na bandeira tricolor francesa, escreveram "fluctuat nec mergitur" (Abalada, mas não afunda), frase em latim com o o lema da cidade de Paris .

Parisienses ignoram recomendações das autoridades e se reúnem diante dos locais dos atentados 14/11/2015 Ouvir

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.