Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/03 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 20/03 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 20/03 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/03 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/03 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/03 15h00 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 17/03 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 17/03 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Forças sírias e russas atacam Aleppo "de maneira histérica", diz membro da oposição à RFI

media Membros da defesa civil síria resgatam crianças, após bombardeio atribuído às forças do regime de Bashar al-Assad em Aleppo. Foto de arquivo (junho de 2016). REUTERS/Sultan Kitaz

As aviações da Síria e da Rússia bombardeiam intensamente bairros rebeldes de Aleppo, a segunda maior cidade síria até o início da guerra, há cinco anos. A RFI conversou com um militante da oposição que descreveu a situação no local: "é um horror!".

"Nas últimas 24 horas, as forças do regime e seus aliados russos aplicam uma política para arrasar Aleppo. Mais de uma centena de bombardeios visaram a cidade", declarou Abou el-Haythem el-Hour ao repórter da RFI Sami Boukhelifa. "As forças do regime lançam suas bombas de uma maneira completamente histérica. O alvo são zonas civis cercadas, é um horror!", descreveu.

Segundo el-Hour, os ataques são feitos por artilharias e os bombardeios por aviões caças e até mesmo helicópteros. O militante também aponta que bombas de fósforo e napalm estão sendo utilizados em áreas habitadas por civis. "Tivemos uma centena de mortos aqui em Aleppo. Neste exato momento, ambulâncias tentam socorrer os feridos, mas elas também são metralhadas e as vítimas morrem pelas ruas, perdendo todo o seu sangue."

A operação serve, segundo as forças de Bashar al-Assad, para expulsar os rebeldes que controlam alguns bairros de Aleppo. O ministro sírio da Defesa, Fahd Jassem al-Freij, pediu que os habitantes se afastem das posições rebeldes. Dividida desde 2012 entre um setor pró-governamental e outro nas mãos dos insurgentes, Aleppo é um alvo estratégico neste conflito que já deixou mais de 300 mil mortos em cinco anos e meio de guerra.

Segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos, os ataques contra Aleppo são de uma violência rara. Apenas nesta sexta-feira (23), 30 civis morreram, indicou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH). Outras dezenas de pessoas teriam sido feridas.

EUA e Rússia negociam novo cessar-fogo

À margem da Assembleia Geral da ONU, em Nova York, os chefes da diplomacia da Rússia e dos Estados Unidos voltam a se reunir nesta sexta-feira (23) para tentar negociar um novo cessar-fogo. Até o momento, John Kerry e Serguei Lavrov travaram um "diálogo de surdos".

Em um apelo sem precedentes, a ONU pede às partes que, ao menos, facilitem a distribuição da ajuda humanitária aos civis. Vários caminhões estão bloqueados na fronteira com a Turquia e muitos alimentos perderão validade na segunda-feira (26). Até o momento, as forças do regime não deram sinais que pretendem pausar os ataques.

"O que está acontecendo é que Aleppo está sendo atacada e todas as partes retomaram as armas", declarou na quinta-feira (22), em Nova York, o enviado da ONU para a Síria, Staffan de Mistura.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.