Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 10/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 10/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 10/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 10/12 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 10/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 10/12 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 09/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 09/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Trump mantém suspense sobre sua posição quanto ao acordo do clima

media Trump prometeu durante a campanha "anular" o acordo do clima, mas prefere manter o suspense sobre sua decisão final. REUTERS/Jonathan Ernst/File Photo

O presidente norte-americano, Donald Trump, prometeu nesta quarta-feira (31) anunciar "nos próximos dias" sua posição quanto ao acordo de Paris sobre o clima. A declaração do chefe da Casa Branca é feita em meio aos rumores sobre a possível retirada dos Estados Unidos do compromisso global para controle do aquecimento do planeta.

Enquanto boa parte dos líderes mundiais espera para conhecer a posição de Trump sobre o acordo do clima, o presidente americano decidiu manter o suspense. "Anunciarei minha decisão sobre o acordo de Paris nos próximos dias. TORNAR A AMÉRICA GRANDE DE NOVO!", declarou o republicano em sua conta oficial no Twitter.

Concluído no final de 2015 na capital francesa por mais de 190 países, o acordo de Paris visa limitar o aumento da temperatura mundial por meio da redução das emissões de gases que provocam o efeito estufa. Mas vários veículos de comunicação informaram que Trump teria decidido retirar os Estados Unidos do acordo. Durante a campanha presidencial, o então candidato também insistiu em acabar com a "guerra contra o carvão" e prometeu "anular" o acordo.

A saída dos norte-americanos do compromisso seria um revés para a "diplomacia do clima", que, há menos de 18 meses, comemorava um acordo histórico, com Pequim e Washington (sob a presidência Obama) entre os arquitetos do projeto.

Administração de Trump está dividida sobre questão climática

Mas desde que tomou posse, em 20 de janeiro, Trump enviou sinais divergentes, reflexo das correntes conflitantes que permeiam sua administração sobre a questão climática e outros assuntos. O chefe da Agência de Proteção Ambiental (EPA), Scott Pruitt, havia defendido abertamente a saída do acordo, considerando-o "ruim" para a América.

Já o mundo dos negócios defendeu, em sua maioria, a permanência no acordo de Paris. Vários grandes grupos, incluindo a petrolífera ExxonMobil, a gigante agroquímica DuPont ou ainda Google, Intel e Microsoft, estimularam Donald Trump a não sair do acordo.

O objetivo dos Estados Unidos definido pela administração Obama é uma redução de 26% a 28% das suas emissões de gases de efeito estufa até 2025 em relação a 2005. Ao contrário do Protocolo de Kyoto (1997), o acordo concluído em Paris não é vinculante e os compromissos nacionais são voluntários.

(Com informações da AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.