Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 19/06 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 19/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/06 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Messi é suspenso pela Fifa por insultar assistente brasileiro

media O atacante argentino Leonel Messi reclama durante partida contra o Chile em 23 de março de 2017. REUTERS/Alberto Raggio

Na luta para conseguir uma das quatro vagas diretas para a Copa do Mundo de 2018, na Rússia, a Argentina não poderá contar com a estrela Lionel Messi em quatro das cinco últimas partidas, depois da Fifa suspender o craque, nesta terça-feira (28), por insultos ao árbitro assistente.

A suada vitória na última quinta-feira, contra o Chile, teve um gosto amargo. É certo que Messi marcou o único gol da partida, responsável por três pontos importantes na luta pela vaga, mas os "hermanos" vão buscar a classificação sem ele.

A seleção comandada por Edgardo Bauza chegou ao terceiro lugar das Eliminatórias Sul-americanas, mas não vai contar com o camisa 10 já para a partida desta terça-feira (28), contra a Bolívia. O jogador vai desfalcar o time contra Uruguai, Venezuela e Peru, e só ficaria disponível para a última rodada, contra o Equador.

A Fifa puniu Messi com quatro jogos de suspensão e multa de US$ 10.167 por avaliar que o jogador é culpado por pronunciar "palavras injuriosas” ao árbitro assistente, o brasileiro Emerson Augusto de Carvalho, na vitória contra o Chile, no dia 23 de março.

Depois do apito final da partida contra o Chile, Messi foi em direção ao assistente para reclamar de uma falta marcada na beira do campo, nos acréscimos da partida. "Vamos apelar", mas "isso é mais político do que outra coisa", falou Armando Pérez, presidente da junta interventora da AFA.

Pérez admitiu que Messi "se equivocou ao insultar" o árbitro, mas considerou que a punição da Fifa é desproporcional. Depois da partida medíocre contra o Chile, o camisa 10 é considerado mais importante do que nunca. "Puniram porque leram seus lábios", indicou Pérez, fazendo referência que o árbitro brasileiro Sandro Ricci não escreveu os insultos na súmula da partida.

A AFA vai "apelar à punição da Fifa. Existem antecedentes que fazem crer que se pode baixar a sanção", garantiu Jorge Miasdoqui, secretário de seleções nacionais da AFA.

14% de aproveitamento sem Messi

"Leo está machucado, com muita bronca, como estamos todos. Não surpreende a decisão que foi tomada. Temos muita bronca pela forma que foi administrada antes de jogar", acrescentou o dirigente. A ausência de Messi pode ter efeito decisivo em um time criticado por seu estilo de jogo ruim. A seleção não tem presença garantida na Rússia, em 2018.

As estatísticas confirmam: a Argentina ganhou cinco dos últimos seis jogos eliminatórios com Messi, ou seja, 83% de aproveitamento com o craque, contra apenas 14% em jogos que não entrou em campo.

Depois de 13 rodadas disputadas, o Brasil lidera tranquilamente com 30 pontos, seguido do Uruguai, com 23, e da Argentina, com 22 pontos. A Colômbia é a quarta colocada com 21 pontos, enquanto Equador e Chile somam 20.

As quatro primeiras seleções se classificam diretamente para o Mundial. A quinta disputa repescagem contra uma seleção da Oceania.

Com informações da AFP

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.