Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Cultura

Sem brasileiros na competição, Berlinale começa com 17 filmes na disputa pelo Urso de Ouro

media Dezessete longas vão disputar o Urso de Ouro da Berlinale. Patricia Moribe

Berlim se transforma na capital do cinema durante os próximos dez dias, durante a 69ª edição da Berlinale, que inicia nesta quinta-feira (7). Dezessete longas competem pelo Urso de Ouro.

Enviada especial a Berlim

Nenhuma obra brasileira está na disputa principal, mas dois filmes – “Estou me guardando para quando o carnaval chegar”, de Marcelo Gomes, e “Greta”, de Armando Praça – estão na prestigiosa mostra Panorama. No total, onze longas e um curta brasileiros serão exibidos no festival.

A atriz francesa Juliette Binoche é a presidente do júri do Urso de Ouro e o filme que abre o festival é “The Kindness of Strangers”, da dinamarquesa Lone Scherfig. Entre os integrantes do júri estão a atriz alemã Sandra Hüller, que estreou em “Toni Erdmann”, um dos longas que marcou a edição de Cannes em 2016, e o diretor chileno Sebastián Lelio, de “Uma mulher extraordinária”, Urso de Prata de roteiro em 2017 e Oscar de melhor filme estrangeiro.

Veteranos na disputa

O prêmio mais importante do festival, o Urso de Ouro, vai ser disputado por 17 filmes. A competição promete ser acirrada, com obras de diretores consagrados como o alemão Fatih Akin, com “Der Goldene Handschuh” ("A Luva Dourada", em tradução livre); o francês François Ozon, que concorre ao prêmio pela quinta vez, com “Grâce à Dieu”, a polonesa Agnieszka Holland, com “Mr. Jones”, e o chinês Zhang Yimou, com “One Second”. A francesa Agnès Varda apresenta “Varda par Agnès”, fora de competição.

O Urso de Ouro honorário este ano vai ser entregue à atriz britânica Charlotte Rampling, de 73 anos. Ela começou a carreira no cinema na efervescente Londres dos anos 1960. Na Itália, ela começou atuando em filmes como “Os Deuses Malditos”, de Luchino Visconti.

Sadomasoquismo com torturador

A fama internacional de Rampling veio com o polêmico “O Porteiro da Noite” (1974), de Liliana Cavani, no qual a atriz vive uma sobrevivente dos campos de concentração que tem uma relação sadomasoquista com um ex-torturador, anos depois do final da guerra. Nos anos seguintes, ela trabalhou com Nagisa Oshima, Woody Allen e Sidney Lumet, entre outros. Baseada na França desde o final dos anos 1970, Rampling estabeleceu uma sólida carreira no cinema francês, em obras de diretores como Claude Lelouch e François Ozon.

A 69ª edição da Berlinale marca ainda a despedida do diretor Dieter Kosslick, que deixa o festival após 18 anos no comando. Ele será substituído por Carlo Chatrian, ex-diretor artístico do Festival de Cinema de Locarno. Kosslick vinha sendo criticado nos últimos anos pela qualidade dos filmes na competição.

No ano passado, 79 diretores alemães, incluindo Fatih Akin, divulgaram uma carta aberta onde pediam um “novo começo” para o festival, incluindo “uma pessoa com capacidade de curadoria excepcional, apaixonada por cinema, com conexões internacionais e capaz de liderar o festival no futuro em pé de igualdade com Cannes e Veneza”.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.