Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 20/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 20/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Nova técnica da Seleção feminina, Pia Sundhage promete "atitude dos americanos" e a "organização dos suecos"

media Pia Sundhage é apresentada como nova técnica da Seleção feminina de futebol, ao lado de Rogério Caboclo, na sede da CBF, em 30 de julho de 2019. REUTERS/Ricardo Moraes

A sueca Pia Sundhage, recentemente nomeada treinadora do time feminino do Brasil, prometeu uma "mudança" para alcançar o pódio nas Olimpíadas de Tóquio-2020. "Meu maior desafio é o fato de a equipe brasileira precisar de mudanças", disse ela em coletiva de imprensa nesta terça-feira (30) na sede da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

Aos 59 anos, Pia Sundhage é a primeira estrangeira a assumir as rédeas da Seleção feminina, com um contrato de dois anos, renovável por mais dois anos.

"Vou trabalhar duro, talvez até mais, vou liderar uma grande equipe", acrescentou.

A nova treinadora da canarinha tem uma vasta experiência na liderança de times femininos: liderou os Estados Unidos nos campeonatos olímpicos de 2008 e 2012 e treinou os suecos entre 2012 e 2017, período em que conquistou a primeira prata olímpica, no Rio-2016.

"Eu ainda tenho que aprender a língua, eu tenho que prestar atenção ao que vou dizer, todo mundo diz que você tem que mudar o estilo de jogo, como atacar, mas você tem que manter o equilíbrio" disse a sueca.

"Revolução"

"Pia liderará a revolução do futebol feminino no Brasil", disse o presidente da CBF, Rogério Caboblo.

Bicampeã olímpica na liderança da seleção dos Estados Unidos em 2008 e 2012, Pia Sundhage prometeu trazer "a atitude" dos americanos e "a organização" dos suecos, que ela também treinou entre 2012 e 2017.

Ela substitui Oswaldo Alvarez, o Vadão, 62, após a eliminação nas oitavas de final da Copa do Mundo de 2019 contra a França.

O retorno de Vadão à Seleção em 2017 não foi bem aceito por algumas jogadoras, que não aceitaram a saída de Emily Lima, a primeira mulher a ocupar o cargo.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.