Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 19/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 19/07 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 15/07 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 15/07 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Brasileiro Lucas Guimaraens é curador convidado da Bienal de Poetas na França

Brasileiro Lucas Guimaraens é curador convidado da Bienal de Poetas na França
 
O poeta Lucas Guimareans nos estúdios da RFI em Paris. RFI

A França acolhe até dia 21 de novembro a 14ª Bienal internacional de Poetas, evento que acontece em Paris e em Val-de-Marne, nos arredores da capital. A manifestação, organizada este ano em torno da temática Viva poesia ! Poesia argentina, brasileira e colombiana, tem pela primeira vez um curador brasileiro.

O poeta mineiro Lucas Guimaraens é o responsável pela seleção da delegação brasileira que representa o país no evento francês. “Foram dois anos de muita conversa com o diretor da Bienal, entendendo que existem na América Latina, e em específico no Brasil, novos territórios da poesia”.

Consultor jurídico especializado em direito internacional e direitos humanos, Guimaraens vive a poesia de maneira quase orgânica. “Eu nasci em uma família de poetas e de escritores”, lembra o mineiro, descendente de Bernardo Guimarães, autor de “A Escrava Isaura”. Mas foi principalmente graças à publicação na França, em junho passado, da edição bilíngue de seu livro de poemas Exil, lac des incertitudes, que o poeta foi escolhido como curador.

Influenciado pelo conterrâneo Carlos Drummond de Andrade, Guimaraens fez questão de valorizar os talentos mineiros na Bienal de Paris. “Os critérios curatoriais são sempre um recorte, e todo recorte é uma deturpação da realidade, que nós entendemos ser positiva. E o primeiro critério foi o estado de Minas Gerais e sua heterogeneidade”, explica.

Ana Elisa Ribeiro, Ana Martins Marques, Fabrício Marques, Edimilson de Almeida Pereira são o resultado desse recorte. “Cada um tem sua linguagem. Eles não são poetas por serem contemporâneos uns aos outros, eles não têm a mesma linguagem, nem a mesma percepção de mundo. E isso é interessante quando você tenta organizar uma curadoria heterogênea e que consiga contemplar um território”, comenta.

Além de leituras na Maison de l’Amérique Latine, os autores também participam de um encontro na Universidade Paris 4 Sorbonne, nesta sexta-feira (17).

Ouça a entrevista completa clicando na foto acima ou assista o vídeo.


Sobre o mesmo assunto

  • RFI CONVIDA

    "Clarice Lispector é única não só no Brasil, mas no mundo também", diz biógrafo Benjamin Moser

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    "Ruy Guerra nunca deixou de ser incendiário", diz biógrafa

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    Izabella Borges: "existe uma lenda que literatura brasileira não vende na França"

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.