Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Banco Mundial elogia Bolsa Família, mas diz que programa não é suficiente

media World Bank President Jim Yong Kim O presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim. Reuters/Stefan Wermuth

O presidente do Banco Mundial (BM), o coreano Jim Yong Kim, elogiou nesta quinta-feira (10) os programas de distribuição de renda adotados no Brasil (Bolsa Família) e no México (Oportunidades), durante entrevista coletiva em Washington, na abertura das reuniões semestrais do Fundo Monetário Internacional (FMI) e BM. Kim destacou, no entanto, que melhorar a distribuição da renda não basta. Segundo ele, o desafio agora, para toda a América Latina, é abrir o mercado de trabalho formal às famílias e mulheres antes excluídas.

Em países onde esses programas de incentivos não foram implementadas, ou onde os resultados ainda estão emergindo, deve ser dada especial atenção à criação de "um ambiente de negócios no qual o setor privado possa crescer e criar empregos", disse Kim.

Um estudo do Banco Mundial concluiu que "nas economias em desenvolvimento, mais de 90% de todos os empregos criados foram oferecidos pelo setor setor privado", disse Kim. "Onde houve sucesso "nos esforços para tirar as pessoas da pobreza", é necessário concentrar-se "na obtenção de bons empregos para perpetuar a nova situação", insistiu o presidente do BM.

Na quarta-feira, o economista -chefe do Banco Mundial para a América Latina, Augusto De La Torre, advertiu que o baixo crescimento da região neste ano deve interromper o ciclo de progresso obtido no domínio social. "Com o tipo de crescimento que estamos vendo atualmente, não será possível manter o ritmo de progresso social que tivemos em anos anteriores", disse ele. Para De La Torre , a região vai experimentar uma "estagnação do progresso", sem que as melhorias sociais alcançadas sejam afetadas.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.