Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/08 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 19/08 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 19/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/08 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Portugal

Portugal: 141 mil hectares viraram fumaça desde o início do ano

media Incêndios em Portugal durante o mês de julho de 2017 mobilizaram mais de 7.000 bombeiros REUTERS/Jose Manuel Ribeiro

Os incêndios de florestas e arbustos em Portugal devastaram 141 mil hectares de vegetação desde o início do ano, três vezes mais do que a média durante a última década, de acordo com uma estimativa provisória citada nesta quarta-feira (16) pela proteção civil.

O país experimenta este ano o clima mais severo desde 2005 em termos de seca, calor e intensidade do vento, disse o comandante da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), Rui Esteves, com base em dados do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) e do Instituto Português de Meteorologia (IPMA).

Entre o início de janeiro e meados de agosto, os bombeiros tiveram que superar um pouco mais de 10 mil incêndios ou começos de fogo, contra 7.500 no mesmo período do ano passado. Por sua parte, a polícia disse ter detido 61 suspeitos de causar incêndios desde o início do ano.

Em 2003, a área queimada atingiu um recorde de quase 426 mil hectares. Mas este ano de 2017 é marcado pelo fogo mais mortífero na história de Portugal, que fez 64 mortos e mais de 250 feridos em meados de junho próximo a Pedrógão Grande, no centro do país.

Depois disso, Portugal já foi atingido por uma nova série de incêndios florestais. A mais recente deixou 76 feridos, seis em estado grave, na semana passada.

Nesta quarta-feira (16), três grandes incêndios assolaram o centro do país, envolvendo mais de mil bombeiros, 300 veículos e cerca de duas dezenas de aviões ou helicópteros.

Devido à previsão metereológica que indica um novo aumento da temperatura, os serviços de emergência decidiram prorrogar o nível de alerta laranja, quarto nível de gravidade numa escala de cinco, pelo menos até sexta-feira (18) à noite.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.