Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 15/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 15/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 15/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/11 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Nobel de Literatura premia polonesa Olga Tokarczuk em 2018 e austríaco Peter Handke em 2019

media A escritora polonesa Olga Tokarczuk é a vencedora do prêmio Nobel de Literatura de 2018 e o romancista austríaco Peter Handke foi laureado com o Nobel de 2019 REUTERS/Michele Tantussi/Dominic Ebenbichler

A escritora polonesa é a vencedora do prêmio Nobel de Literatura de 2018 e o romancista austríaco Peter Handke foi laureado com o Nobel de 2019, anunciou a Academia Sueca. Os dois estavam na lista dos favoritos ao prêmio.

Tokarczuk foi premiada por "sua imaginação narrativa que, com uma paixão enciclopédica, simboliza a passagem de fronteiras como forma de vida", afirmou o secretário da Academia Sueca, Mats Malm. O Nobel de 2019 foi concedido a Handke por uma obra "repleta de ingenuidade linguística que explora a periferia e a singularidade da experiencia humana".

Autora de uma dezena de livros, Olga Tokarczuk, 57 anos, é considerada uma das romancistas mais talentosas da Polônia. Ela tem obras traduzidas em mais de 25 línguas, e vão de contos filosóficos a romances históricos, como o famoso “Livro de Jakob”, publicado em 2014. Engajada politicamente, de esquerda, ecologista e vegetariana, a escritora critica com frequência a política do atual governo do partido nacionalista e conservador, o Pis (Direito e Justiça).

“Nobel de literatura devia ser extinto”, diz autor

Peter Handke, vencedor neste ano, já publicou aos 76 anos mais de 80 livros, e é um dos autores em língua alemã mais lidos do mundo. Seu primeiro romance, « Die Hornissen » (As vespas, em tradução livre), foi publicado em 1966, mas ele se tornou célebre com o livro “O medo do goleiro diante do penâlti”, em tradução livre, que chegou às livrarias em 1970, e “Bem-aventurada Infelicidade”, de 1972, publicado depois da morte de sua mãe.

Cinéfilo e roteirista de diversos filmes do diretor Win Wenders, ele colaborou na elaboração dos diálogos do filme “Asas do Desejo”, filme mais famoso produzido pela parceria.

“O Nobel de Literatura? Teria que ser extinto. É uma falsa canonização que não traz nada para o leitor”, Handke teria declarado há alguns anos. Apesar da declaração controversa, ele se disse “feliz” de ter recebido o prêmio, segundo a academia sueca, que telefonou para o escritor nesta quinta-feira (10).

A Fundação Nobel decidiu entregar o prêmio de 2018 em 2019. Essa é a primeira vez em quase 70 anos que o Nobel de Literatura foi adiado. Em 2017, 18 mulheres acusaram o fotógrafo francês Jean-Claude Arnaut de  agressão ou assédio sexual. Arnault é casado com Katarina Frostenson, uma das integrantes da Academia sueca.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.