Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 20/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 20/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

A cada 40 segundos, uma pessoa se suicida no mundo, alerta OMS

media A fita amarela é símbolo da luta contra o suicídio: quase 800 mil pessoas tiram suas vidas por ano no mundo. Foto: Jared Keener (CC)

A cada ano, cerca de 800 mil pessoas cometem suicídio no mundo: uma média de um indivíduo tira sua própria vida a cada 40 segundos. Os dados foram divulgados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta segunda-feira (9), na véspera do Dia Mundial da Prevenção ao Suicídio.

Para a OMS, o quadro é alarmante, embora a taxa de suicídio per capita esteja caindo. Entre 2010 e 2016, houve uma queda de 9,8% no mundo. Essa diminuição chega a 19,6% na região do Pacífico Ocidental e 4,2% na região do Sudeste Asiático.

A região das Américas - onde o acesso a armas de fogo é um importante meio de suicídio, segundo a OMS - é a única que registrou um aumento (+6%).

Apesar da diminuição, as taxas de suicídio na África, na Europa e no Sudeste Asiático estão acima da média mundial de 10,5 por 100.000 habitantes. Já a região do Mediterrâneo Oriental tem as percentagens mais baixas de suicídio.

Segundo a OMS, parte do declínio da taxa mundial se deve ao fato de mais países terem estratégias de prevenção."Apesar do progresso, ainda há uma morte por suicídio a cada 40 segundos", a mesma frequência que a indicada em 2014, disse o diretor da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em comunicado.

Guiana e Rússia têm as mais altas taxas de suicídio

A grande maioria dos suicídios ocorre em países de baixa e média renda, mas os países de alta renda têm a maior taxa de suicídio (11,5 por 100.000 habitantes).

A Guiana - antiga colônia britânica entre Venezuela e Suriname - é o país com a maior taxa de suicídio per capita (30,2 por 100.000) no mundo, com um alto número de mortes por ingestão de veneno. Depois vem a Rússia, onde o consumo excessivo de álcool é o principal responsável pela situação.

Entre os outros países com grandes quantidades de pessoas que tiram suas próprias vidas estão Lituânia, Lesoto, Uganda, Sri Lanka, Coreia do Sul, Índia e Japão.

No Brasil, a taxa é de 6 por 100.000 habitantes. Por gênero, é de 2,6 a cada 100.000 mulheres e 9,4 por 100.000 homens.

Essa diferença importante entre homens e mulheres é vista em todo o mundo e é maior nos países ricos. As raras exceções são registradas em países como a China (8,3 por 100.000 mulheres e 7,9 por 100.000 homens).

Envenenamento com pesticidas

Os métodos mais comuns de suicídio são enforcamento, armas de fogo e envenenamentos. Por isso, segundo a OMS, a redução do acesso a pesticidas pode diminuir as taxas de suicídio.

No Sri Lanka, por exemplo, uma série de proibições de venenos resultou em uma queda de 70%, salvando 93.000 pessoas entre 1995 e 2015, segundo a OMS.

No geral, pouco mais da metade de todas as pessoas que tiram suas vidas têm menos de 45 anos. Entre a faixa etária de 15-24 anos, o suicídio é a segunda principal causa de morte, depois dos traumas causados por acidentes rodoviários.

Campanha de prevenção

A OMS está realizando uma campanha de um mês sobre a prevenção do suicídio, na qual exibe a famosa fita amarela, símbolo da luta contra o problema. Nesta ocasião, a organização publicará uma revista com recomendações, focando em conselhos para cineastas e criadores de séries de televisão.

Segundo Alexandra Fleischmann, especialista científica da OMS, estudos mostram que "pessoas vulneráveis imitam" suicídios cada vez que são mostrados em detalhes nas telas.

(Com informações da AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.