Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Chefe de governo de Hong Kong anuncia retirada definitiva de projeto de lei de extradição à China

media A chefe do executivo de Hong Kong, Carrie Lam (20/08/19). REUTERS/Ann Wang

A chefe de governo de Hong Kong, Carrie Lam, anunciou nesta quarta-feira (4) retirada definitiva do polêmico projeto de lei sobre extradições para a China, após meses de forte contestação popular.

“O governo vai formalmente retirar o projeto para apaziguar as inquietações públicas”, afirmou Carrie Lam em vídeo divulgado pela sua assessoria.

O texto gerou a pior crise política desde a devolução da antiga colônia britânica ao controle chinês, há 22 anos.

O movimento de contestação, que nasceu em junho com a rejeição ao projeto de lei para autorizar extradições à China continental, ampliou consideravelmente as reivindicações, incluindo denúncias de retrocesso das liberdades e sobre a crescente interferência da China na região semiautônoma, o que viola o princípio "um país, dois sistemas".

Os protestos também passaram a pedir uma ampla investigação independente sobre a repressão policial, anistia de manifestantes detidos e eleições diretas para todos os deputados e chefe do executivo.

Suspensão suspeita

Lam suspendeu o projeto em junho e disse depois que o texto estava “morto”, mas manifestantes pró-democracia suspeitavam há algum tempo da recusa de seu governo em retirar formalmente o projeto e temiam que este pudesse ser retomado depois.

Muitas manifestações pacíficas aconteceram nos últimos meses com a participação de centenas de milhares de pessoas. Confrontos nas ruas entre manifestantes e forças de ordem também foram se tornando frequentes e mais violentos nas últimas semanas. Mais de mil pessoas foram presas desde o início de junho.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.