Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Atos homenageiam memória de milhares de vítimas no Dia Mundial dos Desaparecidos

media Todos os anos, famílias de desaparecidos tentam chamar a atenção do público e das autoridades. AFP Photos/Joaquin Sarmiento

Nesta sexta-feira (30), por ocasião do Dia Internacional dos Desaparecidos, pessoas em todo o mundo estão se mobilizando contra a violação dos direitos humanos, seja por Estados, grupos políticos ou pela máfia. Muitas famílias ainda se encontram desamparadas diante desses desaparecimentos, lembra a ONU.

Foi após uma reflexão iniciada pela ONU sobre o ressurgimento de seqüestros de pessoas em muitos países do mundo que este dia foi estabelecido em 2011. Trata-se de apoiar as famílias afetadas por esse fenômeno e denunciar as estratégias de terror subjacentes. "O sentimento de insegurança resultante dessa prática afeta não apenas os entes queridos da pessoa desaparecida, mas também a comunidade e a sociedade como um todo", diz o texto da ONU.

Quase 83.000 desaparecidos na Colômbia

Na Colômbia, por exemplo, muitas mães estão lutando para rastrear seus filhos desaparecidos em conflitos armados. "Nós, as mães das pessoas desaparecidas, sofremos dores eternas", escreveram as mulheres que se definem como "pesquisadores" e distribuem mensagens aos passageiros de ônibus em Cali, uma cidade no sudoeste da Colômbia.

Para chamar a atenção para a profunda dor que causa o desaparecimento forçado, elas entram em ônibus com cartazes em volta do pescoço e distribuem mensagens. A campanha # ReconocemosSuBúsqueda foi lançada este ano.

Segundo o Centro Nacional Colombiano de Memória Histórica, uma entidade pública, pelo menos 82.998 pessoas desapareceram à força entre 1958 e 2017, mas as autoridades reconhecem apenas por 52% dos casos. Um número quase três vezes superior ao balanço total das ditaduras argentina, brasileira e chilena do século 20.

O acordo de paz de 2016 assinado com os guerrilheiros das FARC previa a criação de uma Unidade de Pesquisa de Pessoas Desaparecidas (UBPD), que iniciou suas investigações.

Março para os desaparecidos no México

No México, 40.000 pessoas são consideradas vítimas de desaparecimento forçado. Mais de 26.000 corpos não identificados continuam nos necrotérios. Esses números oficiais aterrorizantes são considerados no entanto por algumas associações como distantes da realidade: elas aumentam o número para 200.000 desaparecidos.

Os sequestros do Boko Haram

Ao redor do lago Chade e do centro de operações da organização Boko Haram, os desaparecimentos também aumentaram nos últimos dez anos na África. Em particular, houve o famoso caso das 276 jovens estudantes do ensino médio de Chibok, na Nigéria, em 2014, sequestradas por radicais islâmicos do Haram.

Em geral, o grupo armado ataca as escolas e todos os lugares que eles acusam de desprezo pelo Islã. Ao mesmo tempo, esse tipo de seqüestros em massa se tornou um modo de recrutamento para o Boko Haram. Em abril de 2018, a Unicef ​​estimou que mais de 1.000 crianças foram sequestradas na Nigéria.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.