Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/09 15h27 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 17/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 17/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 17/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 16/09 15h00 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Atentado suicida em casamento deixa pelo menos 63 mortos no Afeganistão

media Atentado suicida em festa de casamento no Afeganistão deixa pelo menos 63 mortos e 182 feridos (Foto: Reuters)

O ataque reivindicado pelo grupo Estado Islâmico aconteceu neste sábado (17) à noite e deixou pelo menos 182 feridos. A explosão ocorreu em um bairro de minoria xiita, no oeste da capital do país.

De acordo com o porta-voz do Ministério do Interior, Nasrat Rahimi, há mulheres e crianças entre as vítimas. Um homem-bomba acionou seu cinturão de explosivos em um salão de festas, por volta das 22h40 no horário local. “Os convidados dançavam e festejavam quando aconteceu a explosão”, descreveu uma testemunha no hospital,atingida nos braços e na barriga.

Mohamad Farhag, uma das convidadas, disse que estava na área reservada às mulheres quando ouviu uma forte explosão na zona destinada aos homens. "Todo mundo correu para fora gritando e chorando", explicou à agência AFP. "Durante 20 minutos, a sala ficou cheia de fumaça. Quase todo mundo na seção de homens estava morto ou ferido. Agora, duas horas depois do ataque, continuam tirando corpos da sala".

Talibãs negam autoria

Os talibãs negaram desde o início a autoria do atentado – o mais violento desde o início do ano visando civis. Em uma mensagem no Twitter, o porta-voz do grupo escreveu que “não há justificativa em cometer tais assassinatos de forma brutal, tendo como alvo mulheres e crianças.” O texto contradiz com ações passadas do grupo, que deixaram diversos civis. Os extremistas ligados aos jihadistas do grupo Estado Islâmico por enquanto não se manifestaram.

O presidente afegão, Ashraf Ghani, qualificou o atentado de "bárbaro", e disse que os talibãs "não podem se exonerar completamente porque servem de plataforma para os terroristas." O chefe do Executivo, Abdullah Abdullah, declarou que o ataque é "é um crime contra a humanidade."

No Afeganistão, os casamentos são festas que reúnem de centenas a milhares de convidados e homens e mulheres se separam em "alas" diferentes. As celebrações são um alvo comum de grupos rebeldes. Em 12 de julho, pelo menos seis pessoas morreram em um ataque suicida em outro casamento na província de Nangarhar, no leste do país. A ação foi reivindicada pelo grupo extremista Estado Islâmico.

Acordo com EUA

A explosão de sábado ocorre em um momento em que Estados Unidos e talibãs tentam concluir um acordo que reduz as tropas americanas no Afeganistão. Em troca, os insurgentes devem respeitar o cessar-fogo, romper lanços com a Al-Qaeda e negociar com o governo de Cabul um acordo de paz duradouro.

O presidente Donal Trump disse no início de seu mandato que é favorável à retiradas das tropas. Washington gastou mais de um US$ 1 trilhão entre operações militares e trabalhos de reconstrução no país, desde 2001.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.