Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 16/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 16/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 16/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 16/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Gibraltar autoriza petroleiro iraniano "Grace 1" a deixar território britânico

media Petroleiro iraniano "Grace 1" está livre para deixar Gibraltar. JORGE GUERRERO / AFP

As autoridades de Gibraltar anunciaram nesta quinta-feira (15) o levantamento do bloqueio do petroleiro iraniano “Grace 1”, apesar de uma tentativa dos Estados Unidos de impedir que o navio saísse do local. A embarcação que havia sido bloqueada em 4 de julho foi, portanto, autorizada a deixar as águas do território britânico, no extremo sul da Espanha. As autoridades explicam que receberam garantias por escrito de que o navio não violaria as sanções impostas à Síria pela União Europeia (UE).

"Tendo em vista as garantias que recebemos, não há mais nenhuma razão legal para manter o bloqueio de 'Grace 1'", disse Fabian Picardo, chefe do executivo autônomo do território britânico.

Foi a Suprema Corte de Gibraltar que permitiu que o petroleiro iraniano deixasse o território britânico, apesar do pedido dos EUA de prolongar a detenção da embarcação, suspeita de querer entregar sua carga de petróleo à Síria.

O Irã garantiu por escrito que a carga do "Grace 1" não seria enviada para a Síria, que está sob um embargo da União Europeia, e o governo de Gibraltar pediu à Corte que suspendesse a detenção em um documento público.

"O navio não está mais detido", declarou enfim o presidente do tribunal, o juiz Anthony Dudley. Por outro lado, ele afirmou que não havia sido recebido por escrito o pedido dos EUA para deter o petroleiro, anunciado pela manhã pelo promotor público de Gibraltar.

A decisão do Supremo Tribunal de Gibraltar não impede que os Estados Unidos de fazerem novo pedido de bloqueio antes que ele deixe as águas territoriais de Gibraltar, nas próximas horas ou dias.

O petroleiro iraniano foi capturado em 4 de julho ao largo do Rochedo de Gibraltar pelas forças dos fuzileiros navais reais, aliados dos Estados Unidos, causando um novo surto de tensão com o Irã. Teerã exigiu sua "libertação imediata" afirmando que seu navio-tanque havia sido abordado em águas internacionais e, especialmente, que havia sido interceptado a pedido dos Estados Unidos. O chefe da diplomacia espanhola confirmou que os norte-americanos pediram o embarque do petroleiro.

“Tentativa de pirataria” dos EUA falhou

O ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, disse nesta quinta-feira que a liberação do petroleiro iraniano demonstra que a "tentativa de pirataria" dos EUA fracassou. "Esta tentativa mostra o desrespeito da administração de Trump pela lei", disse ele no Twitter, acrescentando que os EUA "tentaram abusar do sistema judicial e roubar a mercadoria (iraniana) em alto mar” através “deste golpe”.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.