Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/08 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/08 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/08 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Japão planeja despejar água radioativa de Fukushima no Pacífico, alerta Greenpeace

media Surfistas na praia de Iwaki, 50 quilômetros ao sul de Fukushima, 24 de agosto de 2013. TORU YAMANAKA / AFP

A ONG Greenpeace na Coreia do Sul declarou à RFI nesta terça-feira (13) estar preocupada com a intenção do Japão de despejar no oceano Pacífico mais de um bilhão de litros de água radioativa. Os resíduos são oriundos da central nuclear de Fukushima.

Frédéric Ojardias, correspondente da RFI em Seul

A água altamente poluída vem dos lençóis freáticos situados sob a usina de Fukushima e, até o momento, permaneceu contida em centenas de reservatórios. De acordo com os especialistas nucleares, a única opção “realista” seria um “despejo controlado” no oceano Pacífico. A sugestão deixou os vizinhos sul-coreanos horrorizados.

Cerca de 1400 toneladas de água radioativa são recuperadas todas as semanas  da central de Fukushima. As tecnologias de descontaminação, que poderiam permitir um reaproveitamento, ainda não são capazes de efetuar esse trabalho. Nesse contexto, o governo japonês tem a intenção de autorizar a disseminação do produto no Pacífico a partir do ano que vem.

“Despejar essa água no oceano é a opção menos cara e mais rápida e estamos convencidos de que o Japão fará essa escolha. Uma vez que ela chegar ao oceano, seguirá a corrente marítima e se espalhará por toda a parte, inclusive no mar ao leste da Coreia do Sul”, afirmou Chang Mari, representante sul-coreana da ONG Greenpeace, à RFI.

O Greenpeace lançou um apelo internacional diante da perspectiva do risco dessa poluição marítima. “Acreditamos que será necessário esperar 17 anos para que essa contaminação radioativa se dilua e atinja um nível seguro nas águas do mar. Os sul-coreanos estão muito preocupados. Precisamos do apoio da comunidade internacional para impedir o governo japonês. É um problema do interesse do mundo todo”, declarou Chang Mari.

Além disso, a organização ambiental acusa o Japão de se recusar a falar sobre os riscos provocados pela radioatividade de Fukushima. E o governo sul-coreano critica Tóquio pela falta de transparência quanto aos bilhões de litros de água contaminada que ameaça suas costas.

Guerra comercial entre Coreia do Sul e Japão

Além do desentendimento no nível ambiental, a Coreia do Sul e o Japão travam uma guerra comercial. Na segunda-feira (12), o governo sul-coreano inseriu o vizinho japonês numa categoria secundária de parceiros comerciais, criada especialmente para esse país.

Atualmente, a lista de parceiros comerciais da Coreia do Sul está dividida em dois grupos: a de países que assinaram os quatro acordos internacionais de controle de exportações e os que não fazem parte desses textos.

A nova categoria foi criada para nações signatárias, mas que, apesar disso, aplicam um sistema de controle das exportações que violam as normas internacionais. Apenas o Japão foi incluído nesse grupo. A medida deve começar a ser adotada em setembro, mas Seul continua aberto a negociações com Tóquio.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.