Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/08 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/08 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/08 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Empresária brasileira aposta em brigadeiros para conquistar consumidores israelenses

Empresária brasileira aposta em brigadeiros para conquistar consumidores israelenses
 
A empresária paulista Meire Nussbacher abriu a "Brigaderia", no Shopping Azrieli, em Tel Aviv. Daniela Kresch/RFI

A empresária paulista Meire Nussbacher, de 38 anos, não podia imaginar que algum dia venderia brigadeiros, os clássicos doces brasileiros, para israelenses. Mas é exatamente o que ela está fazendo, dois anos depois de se mudar para o país do Oriente Médio com o marido e três filhos.

Daniela Kresch, correspondente da RFI em Tel Aviv

Formada em moda no Brasil, Meire trabalhou em startups e grandes multinacionais. Mas, depois que se mudou para Israel, buscou uma nova carreira. E por que não apresentar aos israelenses o mais famoso doce nacional, uma novidade para eles e uma maneira para que ela se sentisse próxima ao Brasil?

Mas, para isso, teve que começar do básico: buscar os melhores ingredientes locais e as melhores receitas, conta Meire, em entrevista à RFI.

“O que eu fiz? Como aqui não tem o leite condensado tradicional que tem no Brasil, eu peguei o que tem por aqui e levei para o Brasil para fazer um curso de brigadeiros gourmet”, conta Meire. “Não adiantava fazer o curso com leite condensado do Brasil, que é famoso, sendo que eu não ia trabalhar com esse lá. Então, eu levei daqui e a gente fez testes para poder chegar no ponto que seria o ideal do brigadeiro.”

Israelenses acham os brigadeiros bonitos e até tiram foto com o doce. Daniela Kresch/RFI

Novidade “esquisita”

Depois de criar as receitas e todo o layout do primeiro quiosque com o nome de “Brigaderia” no maior centro comercial de Israel, o Shopping Azrieli em Tel Aviv, Meire descobriu que o doce tão amado no Brasil era realmente uma novidade esquisita para os consumidores locais.

Os israelenses achavam os brigadeiros muito bonitos e até tiravam fotos com eles – alguns com o tradicional chocolate granulado, outros com confeitos coloridos. Mas nem todos tinham coragem de experimentar.

“No primeiro mês, a gente teve uma reação muito surpreendente, mas pendendo para o lado negativo. As pessoas aqui têm uma mania muito grande de cheirar, de cheirar o brigadeiro, e colocar na boca com medo. Com medo de achar uma coisa nojenta”, conta a empresária. “No segundo mês, eu comecei a ver que a tendência começou a inverter, que os israelenses começaram a gostar, a curtir o brigadeiro e ver que ele não é tão ruim como imaginavam”, relembra.

A resposta dos israelenses levou a empresária paulista a planejar a abertura de um café na cidade onde ela mora, Raanana, ao norte de Tel Aviv. O local tem uma das maiores comunidades de brasileiros em Israel e a Brigaderia Café é, segundo ela, uma demanda dos compatriotas locais. O espaço, com 120 metros quadrados, abrirá as portas no final deste mês.

Meire descobriu que os brigadeiros brasileiros eram uma novidade para os consumidores israelenses. Daniela Kresch/RFI

Choque cultural

Além dos brigadeiros, ela vai servir café, pão de queijo e açaí, certa de que os gostos do Brasil vão agradar também os israelenses. A brasileira ainda está se habituando aos costumes e gostos locais. Mas, segundo ela, o choque cultural é inevitável.

“É um país muito difícil. As pessoas são fechadas. A cultura também é um pouco diferente da nossa. Nós temos uma cultura muito alegre, muito bonita, muito sorridente. Mas acho que a gente vai se acostumando”, avalia.

Meire decidiu deixar o Brasil há dois anos, na esperança de criar um futuro melhor para os filhos. A primeira opção era os Estados Unidos, mas o marido sempre havia sonhado em tentar a vida em Israel, país onde a mãe nasceu.

“Quando ele era mais jovem, a mãe dele, que nasceu aqui, dizia que Israel era um país muito pobre, que não era um país para se trabalhar, para se ganhar dinheiro. E nunca deixou ele vir”, conta Meire.

Mas o cenário mudou, salienta a brasileira. “Israel é o país do high-tech, do Waze, tem grandes empresas, muito fortes. Por isso a gente tomou a decisão de vir para cá e não para os Estados Unidos. Foi quando a gente percebeu uma luz, uma oportunidade de trazer um gostinho brasileiro aqui para Israel. Agora a gente vê que a aceitação está ‘mea ahuz’, ou seja, está 100%.”

Sucesso da "Brigaderia" levou a empresária Meire Nussbacher a abrir um café em Raanana, no norte de Tel Aviv. Daniela Kresch/RFI

Sobre o mesmo assunto

  • Brasil/Economia/Paris

    Brasileiros em Paris encontram na gastronomia uma boa fonte de renda

    Saiba mais

  • Brasil-Mundo

    Açaí, brigadeiros e tapioca fazem sucesso em Portugal

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    Sabores do Brasil recebe “30% de brasileiros saudosos e 70% de franceses curiosos” em Paris

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.