Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 15/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 15/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 15/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Papa critica nacionalismos, que levam a “isolamento” e a “guerras”

media Papa Francisco tem criticado os movimentos populistas que ganham terreno em diversos países. REUTERS/Yara Nardi

O papa Francisco criticou o nacionalismo por conduzir a guerras e disse que o populismo não reflete a cultura popular, em uma entrevista publicada no jornal "La Stampa", nesta sexta-feira (9). As declarações acontecem em meio à crise política deflagrada na Itália pela extrema direita do ministro do Interior Matteo Salvini, que pediu a realização de eleições antecipadas no país.

"O nacionalismo é uma atitude de isolamento. Estou preocupado, porque ouvimos discursos que lembram os de Hitler em 1934. 'Primeiro nós. Nós... nós...': estes são pensamentos aterrorizantes", afirmou o pontífice.

Concedida dias antes da crise do governo protagonizada por Salvini, a entrevista do papa argentino acontece em um momento delicado da política italiana. "Um país deve ser soberano, mas não fechado. A soberania deve ser defendida, mas as relações com outros países e com a Comunidade Europeia também devem ser protegidas e promovidas. O nacionalismo é um exagero que sempre acaba mal: leva a guerras", acrescentou.

“Ismos” nunca fazem bem, afirma

Questionado sobre o populismo, o papa, que vivenciou os anos de Domingo Perón em seu país, explicou que essa corrente também "fecha as nações", como o nacionalismo. "No começo, não conseguia entender, porque, estudando Teologia, eu aprofundava o popularismo, isto é, a cultura do povo. Uma coisa é que o povo se expresse, e outra é impor ao povo a atitude populista. O povo é soberano - tem seu jeito de pensar, de se expressar e de sentir, de avaliar. Mas os populismos nos levam ao nacionalismo: esse sufixo, 'ismos', nunca faz bem", insistiu.

Na entrevista, o pontífice falou também sobre Europa, Amazônia e meio ambiente. "A Europa não deve ser desfeita, devemos salvá-la. Ela tem raízes humanas e cristãs. Uma mulher como Ursula von der Leyen pode reviver a força dos Pais Fundadores", disse ele, em referência à nova presidente da Comissão Europeia, eleita em 2 de julho passado.

Proteção da Amazônia

Francisco mencionou várias catástrofes ambientais, falou sobre a perda dos recursos do planeta e relembrou uma reunião recente com pescadores que lhe disseram que coletaram seis toneladas de plástico nos últimos meses.

"A ameaça da vida das populações e do território deriva dos interesses econômicos e políticos dos setores dominantes da sociedade", disse, ao comentar sobre os riscos para a floresta amazônica. Para Francisco, os políticos devem “assumir uma responsabilidade concreta, por exemplo, no caso das minas a céu aberto, que envenenam a água que causa tantas doenças”.

Com informações da AFP

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.