Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/08 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/08 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/08 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Patrimônio da Unesco, Festival Naadam festeja séculos de tradição nômade na Mongólia

Patrimônio da Unesco, Festival Naadam festeja séculos de tradição nômade na Mongólia
 
Festa de abertura do Festival Naadam que, em mongol, significa “jogo”. Desde 2010, o evento entrou para a lista do patrimônio imaterial da Unesco. Captura de vídeo MONTSAME

Todos os anos, durante uma semana, a Mongólia celebra a cultura nômade. O Festival Naadam é a data mais importante do calendário. Eventos de música, dança, culinária, artesanato e competições esportivas homenageiam os séculos história do povo mongol. O espetáculo principal acontece na capital Ulan Bator e atrai um número crescente de turistas estrangeiros.

Luiza Duarte, correspondente da RFI, especial de Ulan Bator

Essa é a festa nacional da Mongólia, que celebra a cultura local e os séculos de tradição nômade. O Festival Naadam celebra ao mesmo tempo os 2228 anos da Mongólia, os 813 anos do Império Mongol e os 98 anos da revolução popular que tornou o país independente. O evento é transmitido ao vivo pela televisão local. Representantes de Estados vizinhos, como Rússia e China, enviam delegações para prestigiar o acontecimento.

“Naadam” em mongol significa “jogo”. Desde 2010, o festival entrou para a lista do patrimônio imaterial da Unesco. São cinco dias de feriado, mas no interior da Mongólia são organizadas diversas celebrações menores que se arrastam até a segunda quinzena de agosto. A data mais importante do país é o ponto alto do calendário turístico e o auge do verão, em uma região onde o inverno é rigoroso e os termômetros chegam a -40ºC.

Naadam também é uma competição esportiva com competições de luta livre mongol, arco e flecha e corrida de cavalo naadamfestival.com

O principal estádio da capital Ulan Bator fica lotado para a espetacular cerimônia de abertura do evento. Boa parte do público veste trajes tradicionais na ocasião. É um evento para a família inteira e que tem atraído cada vez mais visitantes estrangeiros, em especial da Rússia, Coreia do Sul, Japão, China e países europeus.

Além do discurso do presidente, a plateia acompanha uma parada militar, danças folclóricas e performances que celebram a tradição nômade e as diferentes etnias que formam a Mongólia. É uma afirmação da identidade mongol e um retorno à história do Império Mongol, das batalhas por independência, do período socialista até a atual jovem república democrática.

Em seguida, têm início as competições de luta livre mongol, arco e flecha e corrida de cavalo, que também acontecem em estádios anexos. Mulheres participam apenas das duas últimas modalidades.

Novo destino turístico

Nos últimos cinco anos, redes de hotéis internacionais têm se instalado na cidade que concentra quase a metade dos apenas 3 milhões de habitantes desse vasto país. A capital é atravessada pela ferrovia transiberiana e está a mais de 1.100 km de Pequim.

Durante esse grande feriado de verão, os mongóis também deixam a cidade e partem para o interior com a família e amigos. Montam as tendas tradicionais mongóis, brancas e circulares, nas estepes, fritam khuushur – comida típica das festividades do Naadam - andam à cavalo e tomam banho nos rios de água gelada.

As estradas ficam com tráfego intenso, enquanto a capital vira cidade fantasma, com lojas fechadas e ruas vazias, a não ser pela presença dos turistas.


Sobre o mesmo assunto

  • Tecnologia

    Google Street View precisou de cavalos para fotografar interior da Mongólia

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.