Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 12/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 12/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 12/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 12/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 12/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 12/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 11/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 11/11 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Para estimular os preços, Opep mantém redução da produção de petróleo mundial

media Os membros da OPEP e seus aliados querem controlar a oferta abundante de petróleo REUTERS/Nick Oxford/File Photo

A Opep e seus aliados, reunidos em Viena, aprovaram de forma unânime nesta segunda-feira (1°) a prorrogação por 9 meses da redução da produção em vigor. O objetivo da medida, proposta pela Rússia e pela Arábia Saudita, é reforçar os preços do petróleo.

Os 14 Estados da Organização dos Países Produtores de Petróleo (Opep) e seus dez aliados (liderados pela Rússia) declararam, durante uma reunião realizada em Viena, seu apoio unânime a esse compromisso, informou o ministro russo de Energia, Alexander Novak. Os 24 países, que extraem metade do petróleo mundial, decidiram em dezembro reduzir sua oferta acumulada de 1,2 milhão de barris por dia (mbd) para estimular os preços do petróleo.

A extensão das quotas parece gerar consenso entre a OPEP e seus parceiros, já que há necessidade de estabilizar os valores num contexto de fortes tensões geopolíticas em torno do Irã, da fraca demanda e uma oferta abundante. Os riscos geopolíticos parecem ofuscados por uma demanda de energia lenta e uma desaceleração global. 

Influência de russos e sauditas preocupa

No entanto, apesar do voto unânime, a crescente influência da Rússia e da Arábia Saudita, que se aliaram há três anos para enfrentar a queda nos preços, causa desconforto entre alguns produtores.

Quando chegou nesta segunda (1°) a Viena, o ministro do Petróleo iraniano, Bijan Namdar Zanganeh, denunciou o carácter unilateral do acordo entre Moscou e Riad. "O principal perigo que a Opep enfrenta agora é a unilateralização", disse o ministro, acrescentando que "a Opep morrerá com esse procedimento" de decisões, liderado por seu rival regional saudita.

Ainda assim, Teerã apoiará o teto de produção, do qual é isento em razão da reintrodução das sanções americanas, que sufocam suas exportações de petróleo, informou o representante iraniano.

A Agência Internacional de Energia reduziu suas previsões mundiais de demanda de petróleo para 2019. A produção de petróleo de xisto dos EUA continua a crescer, competindo com a OPEP e inflacionando as já elevadas reservas mundiais.

O anúncio do acordo russo-saudita permitiu que o preço do barril de petróleo WTI ultrapassasse os US$ 60 nesta segunda-feira (1°), na abertura das bolsas europeias.

(Com informações da AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.