Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 17/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 17/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 17/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Aquecimento global deve afetar mais de 80 milhões de empregos até 2030, diz OIT

media O calor vai afetar diretamente cerca de 80 milhões de empregos, prevê a Organização Internacional do Trabalho RFI/G.NG

O aquecimento global será responsável pelo aumento do chamado “stress térmico” na Agricultura e outros setores da indústria, segundo um relatório publicado nesta segunda-feira (1) pela Organização Internacional do Trabalho (OIT). A alta das temperaturas dificultará a execução de certas tarefas, como no setor de obras, por exemplo.

Diante dessa previsão, a OIT avalia que haverá uma perda de produtividade que pode afetar 80 milhões de empregos e estima que 2,2% do total das horas trabalhadas no mundo seriam “perdidas” por conta das temperaturas elevadas. As projeções foram baseadas na estimativa de um aumento de 1,5° C da temperatura mundial até o fim do século.

O “stress térmico” é o termo utilizado para designar o calor superior ao que o corpo pode tolerar sem sofrer danos fisiológicos – o que em geral acontece com temperaturas superiores a 35°C associadas à uma forte umidade. O maior impacto será no sul da Ásia e no oeste da África, onde cerca de 5% do total de horas trabalhadas seriam afetadas, segundo os autores do documento, intitulado “Trabalhar em um planeta mais quente: o impacto do stress térmico na produtividade do trabalho e no trabalho decente”, apresentado nesta segunda-feira à imprensa, em Genebra.

As perdas econômicas são avaliadas em U$ 2,4 bilhões em escala mundial. “Em suma, é o equivalente à economia do Reino Unido”, disse Catherine Saget, uma das autoras do relatório. “Esse stress térmico é uma consequência grave das mudanças climáticas”, afirmou Saget. “É esperado que haja um aumento da desigualdade entre os países riscos e os mais pobres e que as condições de trabalho fiquem cada vez piores para os mais vulneráveis”, destaca. Segundo ela, também haverá um maior número de deslocamentos da população.

Agricultura deve ser um dos setores mais atingidos

Os dois setores mais expostos são a Agricultura, que emprega cerca de 940 milhões de pessoas no mundo, e deveria representar 60% das horas de trabalho perdidas até 2030, seguida pelo setor da Construção Civil, com 19% da perda de produtividade.

De acordo com Nicolas Maitre, economista da OIT, a Europa também deve sofrer a consequência do aquecimento global. “As ondas de calor que tivemos nos últimos tempos serão cada vez mais frequentes e intensas”, disse. Para prevenir o stress térmico a OIT encoraja a criação de infraestruturas adequadas e melhorias nos sistemas de alerta precoces durante os episódios de forte calor, como o vivido na semana passada na França. Em algumas regiões europeias o termômetro chegou a atingir 45°C.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.