Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 17/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 17/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 17/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 16/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 16/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 16/07 09h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Leonardo Boff afirma que regra do celibato pode mudar na Amazônia

media O teólogo Leonardo Boff acredita que o Papa permita que pessoas casadas sejam sacerdotes em regiões remotas da Amazônia Facebook

Para o teólogo Leonardo Boff, "é provável que o Papa vá permitir que pessoas casadas sejam ordenadas sacerdotes" em regiões remotas da Amazônia. Em entrevista à RFI sobre o Sínodo dos Bispos da Amazônia, que acontece em outubro no Vaticano, ele falou sobre a possibilidade de ordenar homens casados para regiões remotas.

A decisão foi informada pela Santa Sé na última segunda-feira (17) em um documento oficial de trabalho sobre o assunto, o "Instumentum Laboris". Trata-se de uma abertura sem precedentes na história da instituição. 

Composto por 147 pontos divididos em 21 capítulos e três partes, o texto diz que "o celibato é uma dádiva para a Igreja, pede-se que, para as áreas mais remotas da região, se estude a possibilidade da ordenação sacerdotal de pessoas idosas, de preferência indígenas, respeitadas e reconhecidas por sua comunidade, mesmo que já tenham uma família constituída e estável, com a finalidade de assegurar os Sacramentos que acompanhem e sustentem a vida cristã".

Prática já existe

Segundo Boff, essa prática já tem antecedentes na região Amazônica, onde pessoas laicas mais idosas já presidem cerimônias religiosas com a permissão de bispos. Para ele, a questão é "reconhecer algo que já existe, já é praticado em várias dioceses, especialmente na de Rio Branco, no Acre". A medida, considerada controversa dentro da Igreja Católica, beneficiaria cristãos que estão no meio da floresta e não têm acesso à eucaristia. 

O teólogo explica que o celibato não é um dogma, mas sim uma doutrina disciplinar. Ele ressalta que ela já foi abolida por todas as igrejas, à exceção da Igreja Católica de Roma. O teólogo considera ainda que a revisão dessa questão pode ser um primeiro passo para uma mudança mais ampla na lei do celibato.

Relação com pedofilia

O celibato foi instituído no século X e obriga os padres a permanecer castos. Para Leonardo Boff, chegou o momento de debater essa doutrina "especialmente após a revelação dos casos de pedofilia na Igreja, porque por atrás disto está a questão da sexualidade. A Igreja não quer discutir o tema por medo de que afete a lei do celibato. Lei que surgiu tardiamente na história e que, como surgiu, pode desaparecer".

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.