Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Empresas popularizam clonagem de cães farejadores na Coreia do Sul

media Cachorros clonados na Sooam Biotech Research, em Seul, na Coreia do Sul JUNG YEON-JE / AFP

De acordo com a agência de imprensa local Yonhap, cerca de 80% dos animais utilizados pelas autoridades do país para controlar as bagagens nos aeroportos são clones. Eles custam quase duas vezes mais caro do que um cachorro “comum”.

Frédéric Ojardias, correspondente da RFI em Seul

De acordo com o correspondente da RFI em Seul, na Coreia do Sul, os clones são um ganho de tempo para os adestradores, que sabem com antecedência que os cães vão exercer suas tarefas corretamente e mesmo praticar atos heroicos. Um exemplo é Quinn, um pastor alemão famoso no país que, há 12 anos, encontrou o cadáver de uma menina que havia sido assassinada. Desde então, Quinn foi copiado e hoje existem vários de seus “exemplares”.

Essas práticas, entretanto, são condenadas pelas associações de defesa dos animais. Elas criticam principalmente a maneira como os cachorros são tratados na aposentadoria. Um deles, um Beagle chamado Mei, morreu em fevereiro, magro e ferido, depois de ter trabalhado quase cinco anos no aeroporto de Incheon e ser entregue a um laboratório da Universidade Nacional de Seul. A ONG Beagle Rescue prestou queixa e acusou o laboratório de realizar experiências crueis, proibidas em princípio por lei.

Clínica especializada

Apesar do escândalo, as clínicas veterinárias na Coreia do Sul continuam oferecendo o serviço de clonagem dos cães. Uma delas pertence a um cientista polêmico, Dr Hwang Woo-suk, um pesquisador que já foi condenado várias vezes por desrespeitar o código de ética. Muitos clientes são pessoas que encomendam uma cópia de um companheiro de quatro patas que morreu. O custo é estimado em € 90 mil (cerca de R$ 370 mil).

A associação de Defesa dos Direitos dos Animais, Kara, lembra que as operações de clonagem necessitam da doação de ovócitos de fêmeas e geram um grande sofrimento para os animais. “Os cães são duplicados como produtos industriais. É preciso saber que, para fabricar um único clone, é preciso sacrificar um grande número de animais”, explicou uma representante da associação. Além disso, muitos filhotes nascem com malformações.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.