Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 15/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/06 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 15/06 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 15/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/06 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Conselho eleitoral cancela eleição municipal em Istambul, que deu vitória à oposição

media O presidente turco, Recep Tayyp Erdogan, vota durante as eleições municipais em Istambul, no dia 31 de março REUTERS/Murad Sezer

O órgão decidiu, nesta segunda-feira (6), cancelar a vitória da oposição no pleito e organizar novas eleições no dia 23 de junho.

O anúncio do cancelamento foi feito por um membro do partido AKP, do presidente Recep Tayyp Edogan, em uma mensagem no Twitter. O Partido Republicano no Povo (CHP) venceu as eleições municipais do dia 31 de março em Ancara e Istambul e qualificou a decisão do Conselho Eleitoral Superior de “ditadura flagrante”. Esta foi a primeira derrota do AKP de Erdogan em Istambul nos últimos 25 anos.

“É ilegal vencer o AKP”, criticou Onursal Adiguzel, vice-presidente do CHP, em uma mensagem noTwitter. “Esse sistema que desconsidera a vontade do povo e despreza o direito não é nem democrático e nem legítimo”, acrescentou.

O partido de Erdogan e seus aliados nacionalistas do MHP pediram a organização de novas eleições em Istambul, alegando irregularidades que, segundo eles, influenciaram no resultado do pleito. O partido perdeu por uma diferença de apenas 130 mil votos.

Vínculos terroristas

O novo prefeito de Istambul, Ekrem Imamoglu, tomou posse em 17 de abril, depois de duas semanas de recontagens. Em seguida, o Ministério Público abriu uma investigação sobre eventuais fraudes e convocou uma centena de agentes eleitorais para interrogatório.

No domingo, a agência de imprensa turca Anatólia afirmou que as autoridades tinham estabelecido vínculos entre “uma organização terrorista” e os responsáveis dos locais de votação que trabalharam nas eleições.

Segundo a agência, os investigadores turcos descobriram que 43 deles tinham mantido contatos com o grupo liderado por Fethullah Gülen, exilado nos Estados Unidos, líder opositor acusado de ter organizado um golpe de Estado.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.