Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/08 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 19/08 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 19/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/08 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Coreia do Norte reduz ração para população, "que está em insegurança alimentar", diz ONU

media Duas mulheres em um bonde elétrico em Pyongyang. Ed JONES / AFP

Cerca de dez milhões de norte-coreanos estão em estado de “insegurança alimentar”. O anúncio foi feito nesta sexta-feira (3) pelo Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas.

As autoridades norte-coreanas estipularam a ração pública diária, distribuída pelo governo, a 300 gramas por dia, um nível historicamente baixo para esta época do ano, segundo o órgão da ONU. O país, alvo de diversas sanções por conta de seu programa nuclear, vive uma grave crise econômica e cerca de 40% da população passa fome. Um relatório do Programa Alimentar Mundial da ONU, publicado no ano passado, mostrou que os norte-coreanos precisam de ajuda humanitária.

“Depois das piores colheitas em dez anos, resultado de secas, calor intenso e inundações, 10,1 milhões de pessoas sofrem de insegurança alimentar no país”, declarou o porta-voz do Pam, Hervé Verhoosel. A produção agrícola foi estimada neste ano em 4,9 milhões de toneladas, o nível mais baixo desde 2008-2009. A queda resulta em um déficit alimentar de 1,36 milhão de toneladas. A Coreia do Norte tem 25 milhões de habitantes.

Negociações para aliviar sanções

A ministra sul-coreana das Relações Exteriores, Kang Kyung-wha, disse nesta sexta-feira que Pyongyang deveria mostrar uma “desnuclearização visível, concreta e substancial” para obter a suspensão parcial das sanções. As negociações entre a Coreia do Norte e os Estados Unidos estão paralisadas.

Os dois países não chegaram a um acordo durante a cúpula de Hanöi, no Vietnã. O líder norte-coreano Kim Jong-Un pediu a retiradas das sanções, o que o presidente americano Donald Trump recusou, considerando a proposta de desarmamento norte-coreana “tímida”. Na terça-feira (30), a vice-ministra norte-coreana das Relações Exteriores, Choe Son Hui, declarou que a decisão relativa à questão continua intacta, e será implantada quando os Estados Unidos decidirem rever sua proposta atual.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.