Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 27/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 27/06 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 27/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 26/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 26/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 26/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 26/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 26/06 09h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Arábia Saudita crucifica prisioneiro em onda de execuções por “terrorismo”

media De leço vermelho, o carrasco, à esq. As 37 pessoas executadas em 23 de abril de 2019 foram consideradas culpadas de "adotar o pensamento terrorista extremista" na Arábia Saudita. HRW

A Arábia Saudita executou 37 de seus cidadãos nesta terça-feira (23), condenados por "terrorismo", uma rara execução em massa no reino. Um dos prisioneiros chegou a ser crucificado, devido à “gravidade de seus crimes”, segundo a lei saudita.

As execuções desta terça-feira (23) ocorreram em seis regiões: a capital Riad, as cidades sagradas de Meca e Medina, a zona sunita de Al-Qassim (centro), a de Assir (sul) e a da Província Oriental, onde a minoria xiita está concentrada, de acordo com o Ministério do Interior da Arábia Saudita.

A Anistia Internacional denunciou as mortes e disse em um comunicado que a maioria das vítimas eram xiitas. "A execução massiva de hoje é uma demonstração assustadora do cruel desrespeito das autoridades sauditas pela vida humana", disse Lynn Maalouf, diretora de pesquisa sobre o Oriente Médio da ONG, em comunicado oficial. "Esta é também outra indicação de como a pena de morte está sendo usada como uma ferramenta política para esmagar a dissidência da minoria xiita do país", acrescentou.

Segundo a ONG, 11 dos executados foram considerados culpados de espionagem em benefício do Irã e pelo menos outros 14 foram condenados por violência relacionada à sua participação em manifestações na Província Oriental entre 2011 e 2012. Um deles havia sido preso aos 16 anos quando era menor de idade. Essas execuções elevam para mais de 100 o número de pessoas mortas na Arábia Saudita desde o começo do ano, segundo uma contagem baseada em declarações oficiais.

De acordo com a Anistia Internacional, o reino, seguindo uma versão rigorosa do Islã, está entre os principais países que aplicam mais severamente a pena de morte do mundo. Em seu relatório global sobre a pena de morte para o ano de 2018, a organização diz que por trás da China (que não publica estatísticas), os países com o uso mais massivo de execuções são o Irã (253), Arábia Saudita (149), Vietnã (85) e Iraque (52).

Culpa e crucificação

As 37 pessoas executadas nesta terça-feira foram consideradas culpadas de "adotar o pensamento terrorista extremista" e "formar células terroristas", segundo o Ministério do Interior em um comunicado divulgado pela agência oficial do SPA. Alguns foram acusados ​​de "rebelião confessional", um termo geralmente usado por militantes xiitas.

As execuções geralmente ocorrem por decapitação na Arábia Saudita. O Ministério do Interior, no entanto, disse que uma das vítimas de terça-feira foi crucificada, um tratamento reservado para os crimes mais graves.

A Arábia Saudita continua repetindo que está em guerra contra "todas as formas de terrorismo". Após as ondas de ataques no início dos anos 2000, o país conseguiu conter a ameaça de grupos jihadistas, mas sem erradicá-los completamente.

No domingo, quatro sauditas morreram quando tentavam atacar um quartel-general de segurança no norte de Riad, em um atentado a bomba reivindicado pelo grupo jihadista do Estado Islâmico (EI). As autoridades anunciaram a prisão no dia seguinte de 13 pessoas suspeitas de "atos terroristas" sem especificar se estavam ou não ligadas ao ataque.

A última execução em massa na Arábia Saudita remonta a janeiro de 2016, quando 47 pessoas, também condenadas por "terrorismo", incluindo o clérigo xiita Nimr Baqer al-Nimr, foram mortas no mesmo dia.

Rompimento com o Irã

Nimr Baqer al-Nimr era um crítico virulento do regime saudita e uma figura importante no movimento de oposição na Arábia Saudita. Sua execução levou a manifestações no Irã durante as quais missões diplomáticas sauditas foram atacadas. Em resposta, Riad rompeu relações diplomáticas em janeiro de 2016 com Teerã, a quem regularmente acusa de "desestabilizar" o Golfo e interferir nos assuntos internos dos países da região.

Riad dá como exemplo de tal interferência o apoio de Teerã aos rebeldes xiitas Houthi que assumiram o controle da capital iemenita Sanaa e outras áreas a partir de 2014. A Arábia Saudita formou uma coalizão militar desde março de 2015 no Yêmen para evitar que os houthis assumam o controle total do país em sua fronteira sul.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.