Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 17/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 17/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 17/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 16/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 16/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 16/07 09h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Redes sociais e nada de debate: como um comediante se tornou favorito à Presidência da Ucrânia

media O humorista Volodymyr Zelenskiy, em Brovary, na Ucrânia, em 29 de março de 2019. REUTERS/Valentyn Ogirenko

Na reta final das eleições presidenciais na Ucrânia de 21 de abril, espera-se que 35 milhões de eleitores escolham entre o atual presidente Petro Poroshenko e o ator Volodymyr Zelenskiy, 41, favorito nas pesquisas. Ele ficou em primeiro lugar no primeiro turno graças a uma campanha eleitoral sem precedentes focada em redes sociais, que mobilizou jovens de 18 a 35 anos.

Sébastien Gobert, correspondente da RFI em Kiev

Em Kiev, em uma sala branca com paredes de vidro, uma dúzia de jovens voluntários está ocupada diante de seus computadores: esse é um dos segredos da campanha inédita do comediante ucraniano Volodymyr Zelensky. Oleksandr Prokhorovitch, de 25 anos, coordena a equipe do candidato: "Aqui animamos as páginas de internet e respondemos perguntas, por email, no Facebook, no Instagram", conta.

Zelensky esnobou jornalistas, canais de televisão e comícios de campanha. Em vez disso, ele participou de shows, publicou vídeos originais e recrutou mais de 500.000 voluntários on-line. Tudo em sua campanha eleitoral passou pelas redes sociais. A consequência mais direta foi a mobilização do eleitorado de 18 a 35 anos.

Jovens não eram “incentivados a votar”

"Os jovens não foram incentivados a votar. Não estava na moda, era chato. Nós explicamos a eles que votar não é difícil, e que é muito importante. Se eles não vierem votar, alguém decidirá por eles ", diz Oleksandr Prokhorovitch.

Um dia após o primeiro turno, Petro Poroshenko copiou a estratégia do adversário. Ele conseguiu algum sucesso em suas redes sociais, mas sua estratégia se encontra atrasada. Mais uma prova de que a política tradicional foi destituída pela atuação de dez jovens voluntários conectados à internet dentro de uma sala.

Desencanto com elites corruptas favorece ator

A ascensão meteórica de Zelensky foi favorecida pelo desencanto dos eleitores ucranianos com suas elites manchadas por escândalos de corrupção.

Os críticos de Zelensky questionam sua capacidade de governar o país, apelidando-o de "Zero", enquanto seus defensores o veem como um novo rosto. Ele também é acusado por alguns de ser um fantoche do oligarca Igor Kolomoisky, um inimigo de Poroshenko, o que ele nega.

Poroshenko, de 53 anos, que iniciou uma série de reformas fundamentais, particularmente no exército e setor de energia, bem como na saúde pública e educação, é, contudo, amplamente criticado por esforços insuficientes na luta contra a corrupção. "Ainda é preciso um mandato presidencial para que as reformas se tornem irreversíveis", pediu.

A incansável Tymoshenko, de 58 anos, acusada de populismo, prometeu, por sua vez, reduzir pela metade os preços da gasolina para a população, sob o risco de irritar os credores da Ucrânia.

Os três favoritos são a favor de continuar a aproximação com o Ocidente.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.