Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 17/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 17/06 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 17/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/06 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Dezenas de países apelam à ONU por solução para caso Kashoggi

media Assassinato do jornalista saudita Jamal Khashoggi, ocorrido em 2 de outubro no consulado de seu país em Istambul, é assunto no Conselho de Direitos Humanos da ONU. REUTERS/Osman Orsal

Trinta e seis países lançaram um apelo à ONU nesta quinta-feira (7) para exigir da Arábia Saudita uma investigação "rápida e completa" sobre o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi no consulado saudita em Istambul, a fim de levar os responsáveis ​​a julgamento.

"Condenamos veementemente o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi, que a Arábia Saudita confirmou ter ocorrido em seu consulado em Istambul", disse o embaixador islandês Harald Aspelund em seu discurso no Conselho de Direitos Humanos da ONU.

"Investigações precisam ser rápidas, eficazes e completas, independentes e imparciais, transparentes e responsáveis", completou, em nome das 36 nações, incluindo países europeus, Austrália, Canadá e Nova Zelândia.

O representante saudita no Conselho, Abdulaziz Alwasil, condenou a exploração do fórum de debates por alguns países que, segundo ele, usam discursos coletivos para causas políticas. "Interferência com assuntos internos em nome da defesa dos direitos humanos é um ataque à nossa soberania", disse.

O assassinato do colaborador do jornal Washington Post, Jamal Khashoggi, ocorrido em 2 de outubro de 2018, cujo corpo ainda não foi encontrado, provocou indignação no mundo inteiro e prejudicou profundamente a imagem da Arábia Saudita e, em particular, do príncipe herdeiro Mohammed bin Salman.

Na apresentação de seu relatório anual na quarta-feira (6), a Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, falou sobre detenções arbitrárias de mulheres que defendem os direitos humanos na Arábia Saudita, mas não fez menção ao assassinato do editorialista, crítico feroz do príncipe herdeiro saudita.

Durante os debates da ONU, os países têm a oportunidade de falar sobre os tópicos que desejam. Segundo a ONG Human Rights Watch, esta é a primeira vez que um grupo de nações decide fazer uma declaração conjunta sobre os direitos humanos na Arábia Saudita perante o Conselho de Direitos Humanos.

O embaixador islandês pediu à Arábia Saudita que "divulgue todas as informações disponíveis e que coopere plenamente com as investigações sobre o assassinato, incluindo a apuração da Relatora Especial da ONU sobre execuções extrajudiciais", Agnès Callamard.

Ao retornar de uma missão à Turquia para esclarecer o assassinato, Callamard enfatizou, em 7 de fevereiro, que o "assassinato" de Khashoggi havia sido "planejado e perpetrado por representantes do Estado da Arábia Saudita".

Riade, contudo, justificou a morte por circunstâncias "incontroláveis". O julgamento de 11 suspeitos foi aberto no início de janeiro na Arábia Saudita e o Procurador-Geral solicitou a pena de morte contra cinco deles.

"As circunstâncias" da morte de Khashoggi "reafirmam a necessidade de proteger os jornalistas e defender o direito à liberdade de expressão em todo o mundo", concluiu na sessão da ONU o embaixador islandês, Harald Aspelund.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.