Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 17/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 17/06 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 17/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/06 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Rússia promete intensificar ajuda humanitária à Venezuela

media Delcy Rodríguez e Serguei Lavrov na coletiva de imprensa desta sexta-feira (1°) REUTERS/Maxim Shemetov

A Rússia, aliada do presidente venezuelano Nicolás Maduro, prometeu nesta sexta-feira (1°) continuar com sua ajuda humanitária "legítima" à Venezuela, enviando especialmente medicamentos. O chefe da diplomacia russa, Serguei Lavrov, se encontrou mais cedo com a vice-presidente venezuelana, Delcy Rodriguez.

"A Rússia continuará ajudando as autoridades da Venezuela a resolver as dificuldades econômicas e sociais", declarou o chefe da diplomacia russa Serguei Lavrov, após seu encontro com Delcy Rodríguez. A vice venezuelana reiterou seu "agradecimento ao presidente Putin" e disse que “tudo o que a Venezuela precisa, a Rússia tem”. Ela também anunciou o fechamento do escritório português da petroleira PDVSA, um dos pilares da economia venezuelana, que será transferido para Moscou.

"Maduro deu instruções muito claras de que alimentos o povo da Venezuela precisa e quais serão adquiridos da Rússia", acrescentou a vice-presidenta venezuelana. Lavrov assegurou que a Rússia enviou "um primeiro lote de 7,5 toneladas de medicamentos" à Venezuela.

Além disso, a Rússia também efetuará "envios maciços de trigo" ao país sul-americano, para ajudar “o governo venezuelano a enfrentar os desafios humanitários atuais". A Venezuela se encontra imersa na pior crise política e econômica de sua história, marcada pela hiperinflação e pela escassez de produtos de primeira necessidade.

Intervenção militar disfarçada

O chefe da oposição, Juan Guaidó, prometeu e tentou fazer a ajuda humanitária passar as fronteiras de seu país, mas sem sucesso por causa dos confrontos com as forças armadas, leais a Maduro, que protegem os pontos de acesso.

Lavrov disse que era “inadmissível” a politização da ajuda humanitária. Ele afirmou que o imbróglio deveria ser resolvido pelas “práticas internacionais” e não poderia servir como forma de mobilização da opinião pública para “justificar desejos intervencionistas”.

Na semana passada, Moscou já havia acusado os Estados Unidos de usarem a ajuda humanitária como pretexto para uma “ação militar”. “Aos olhos de todo o mundo se desenvolve uma campanha cínica com o objetivo de acabar com o governo legítimo da Venezuela”, afirmou Serguei Lavrov.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.