Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/08 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 18/08 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 18/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/08 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Seul: Sul-coreanos conservadores protestam contra o fim da guerra da Coreia

media Manifestação do Partido dos Patriotas no centro de Seul, em 26 de fevereiro de 2019. REUTERS/Kim Hong-Ji

A segunda cúpula entre Kim Jong-um e Trump começa nesta quarta-feira (27) em Hanói, no Vietnã. Um dos assuntos presentes no menu do encontro será uma declaração que encerraria formalmente a Guerra da Coreia. Com efeito, apenas um armistício foi assinado em 1953 e, tecnicamente, a Coreia do Norte, os EUA e a Coreia do Sul ainda estão em guerra.

Frédéric Ojardias, correspondente da RFI em Seul

Na Coreia do Sul, mesmo se o governo dá muito apoio ao fim do conflito, cidadãos conservadores estão se posicionando contra o fim do confronto. Vários desertores norte-coreanos gritam sua raiva e preocupação sob a estátua do Almirante Yi Sun-shin, no centro de Seul.

O refugiado Kim Seong-min conclama Donald Trump a falar sobre direitos humanos na cúpula em Hanói, no Vietnã: "Donald Trump, peça para Kim Jong-un fechar os campos de prisioneiros políticos! Mas se Kim e Trump declararem o fim da guerra durante o encontro, a Coreia do Norte exigirá a saída das tropas norte-americanas da Coreia do Sul. O regime tentará fazer do sul um país comunista. Kim Jong-un também quer nos escravizar!”, diz o homem.

Retratos rasgados

Os manifestantes rasgaram na sequência retratos de Kim Jong-un. Cho Won-jin, presidente do Partido de patriotas coreanos, é o organizador do evento: "A declaração de acabar com a guerra sem abandonar as armas nucleares é uma armadilha da Coreia do Norte. Isso causará a partida das tropas norte-americanas. O presidente sul-coreano quer que acreditemos que isso constituirá a paz, mas não é verdade”, argumenta.

Reviravolta inesperada

Numa reviravolta política bastante inesperada, os progressistas sul-coreanos, antes bastante contrários a Trump, agora elogiam a política de envolvimento do presidente dos EUA em relação a Kim Jong-un. E são os conservadores sul-coreanos que compartilham o ceticismo dos democratas norte-americanos.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.