Ouvir Baixar Podcast
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 14/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 14/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 14/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 14/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 13/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 13/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 13/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 13/10 09h57 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • Nobel de Economia vai para francesa, indiano e americano por estudos de combate à pobreza

Após acusação de antissemitismo, Polônia cancela participação em cúpula em Israel

Após acusação de antissemitismo, Polônia cancela participação em cúpula em Israel
 
Primeiro-ministro polonês cancela visita a Israel para cúpula de Visegrado Agencja Gazeta/Jakub Porzycki via REUTERS

A Polônia declarou nesta segunda-feira (18) o boicote da cúpula dos países da Europa Central e do leste, prevista para hoje e amanhã (19), em Israel, para protestar contra as declarações do novo chefe da diplomacia israelense, Israel Katz, que acusa os poloneses de antissemitismo.

Daniela Kresch, correspondente da RFI em Tel Aviv

O governo polonês já havia anunciado, neste domingo (17), que o primeiro-ministro do país, Mateusz Morawiecki, não participaria da reunião do chamado grupo de Visegrado, formado pela Hungria, Polônia, República Theca e Eslováquia. “As palavras do ministro israelense são racistas e inaceitáveis”, disse o chefe de governo polonês. O novo ministro interino das Relações Exteriores israelense, Israel Katz, deu uma entrevista a uma rádio afirmando que “os poloneses bebiam leite com antissemitismo diretamente de suas mães”.

O mal-estar entre os dois países começou na semana passada, por conta de comentários feitos pelo premiê de Israel, Benjamin Netanyahu. Ele esteve na Polônia para a Conferência de Varsóvia, patrocinada pelos Estados Unidos, na qual 60 países se reuniram para discutir políticas para o Oriente Médio.

Em entrevista durante a conferência, Netanyahu tocou em uma ferida aberta na relação entre poloneses e israelenses: o nível de envolvimento e cooperação da Polônia com o regime nazista durante a Segunda Guerra Mundial.

Por causa da entrevista, o premiê polonês, inicialmente, decidiu que enviaria para a cúpula em Israel apenas seu chanceler, Jacek Czaputowicz. O próprio primeiro-ministro polonês informou a Netanyahu sobre sua decisão, em conversa por telefone, neste domingo. Mas, apesar de assessores de Netanyahu terem afirmado que a conversa entre os dois foi “positiva”, jornalistas em Israel analisaram o cancelamento como um mal-estar diplomático.

Lei polonesa proíbe associar país ao Holocausto

Tudo começou quando o jornal israelense “Times of Israel” perguntou a Netanyahu sobre um acordo entre Israel e Polônia acabando com a controvérsia entre os dois países por causa de uma lei aprovada recentemente pelo governo polonês.

A lei instituiu que é proibido dizer que a Polônia, enquanto nação, colaborou com os nazistas durante o Holocausto. Netanyahu respondeu que “os poloneses cooperaram com os nazistas” e que “não se pode esconder a verdade”. Segundo o primeiro-ministro, um número “não insignificante” de poloneses colaborou com os alemães durante o Holocausto sem que tenham sido julgados por isso.

Alguns jornais reproduziram a entrevista afirmando que Netanyahu teria dito que a Polônia colaborou com os nazistas. Diante da repercussão, assessores do premiê tiveram que apagar o fogo do escândalo, afirmando que Netanyahu não disse que a Polônia, como nação, colaborou com Hitler, mas alguns poloneses o fizeram.

A embaixadora de Israel em Varsóvia, Anna Azari, foi convocada pela chancelaria polonesa para esclarecer os comentários.

Mal entendido

Os dois governos, de Israel e da Polônia, culparam a imprensa pelo que seria um mal-entendido. O primeiro-ministro Netanyahu emitiu um comunicado afirmando que não culpou a nação polonesa como um todo e foi citado erroneamente pela imprensa.

O presidente polonês, Andrzej Duda, também culpou a imprensa pelo que chamou de “manipulação jornalística”. Mas chegou a pedir o cancelamento da conferência que começa hoje em Israel. O primeiro-ministro polonês viria a Israel para a reunião do V4, o Grupo de Visegrado.

Este ano, a reunião do V4 acontece em Jerusalém nesta segunda-feira (18) e amanhã, terça-feira (19). Será o primeiro encontro do bloco, formado em 1991, fora da Europa. Para Benjamin Netanyahu, que concorre à reeleição em menos de dois meses, a conferência do V4 é importante e seria uma maneira de mostrar a seis eleitores que Israel não está isolado na Europa e assim, convencer seus eleitores de que ele deve continuar a ser o primeiro-ministro de Israel.


Sobre o mesmo assunto

  • Polônia/Holocausto

    Lei polonesa sobre Holocausto preocupa EUA e irrita Israel

    Saiba mais

  • Holocausto

    Política para exaltar patriotismo polonês irrita Israel

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.