Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 20/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 20/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Bar com vista para usina de tratamento de lixo conscientiza moradores de Tóquio

media Frequentadores do bar Gomi Pit observam lixo sendo tratado numa usina de Tóquio Toshifumi KITAMURA / AFP

No Japão, as autoridades decidiram criar um bar efêmero com vista para uma usina de tratamento de resíduos equipada com um incinerador. A ideia atraiu os jovens japoneses, que se amontoam para tirar selfies, e serve como forma de chamar atenção para a quantidade de lixo produzido pela humanidade.

Batizado de Gomi Pit – em japonês, “gomi” quer dizer resíduos e “pit” significa fossa –, o estabelecimento foi idealizado pelas autoridades de Tóquio para conscientizar jovens habitantes sobre as consequências da produção exacerbada de lixo. O contraste é nítido: apenas uma parede de vidro separa o local limpíssimo onde os clientes comem e bebem do amontoado de resíduos à espera de serem incinerados.

Em pequenos intervalos, um enorme braço mecânico desce e recupera rejeitos da vida cotidiana: metade de uma sacola da loja Ikea, uma gravata, pedaços de um travesseiro, papel despedaçado e sacos plásticos de todo tipo. Cerca de 27.000 toneladas de lixo foram tratadas nesse setor da cidade japonesa, que possui capacidade máxima de 120 toneladas por dia.

“É muito surpreendente”, comenta Isaeo Tomioka, de 49 anos, ao assistir ao espetáculo junto com suas duas filhas, de seis e quatro anos, grudadas no vidro. Morador do bairro, ele disse ter vindo com suas crianças porque se preocupa com o impacto do lixo na próxima geração. “Há resíduos que não podem ser queimados e que devem ser colocados em algum lugar. É uma herança negativa que deixamos”, diz.

Bom exemplo

O bairro de Musashino exige que seus moradores separem adequadamente o lixo para reciclagem, uma prática recorrente no Japão. Mas as autoridades esperam que, ao mostrar a acumulação de lixo, terão um grande efeito de conscientização.

“Diversos visitantes expressaram surpresa, dizendo que não tinham nenhuma ideia de como o lixo que produziam era tratado”, disse Ayana Seki, responsável do departamento local de Meio Ambiente. “Várias pessoas se mostraram chocadas ao constatar a quantidade, sendo que cada casa joga fora, em geral, um ou dois sacos de lixo.”

O bar Gomi Pit é temporário, mas a usina de tratamento Musashino Clean Centre fica aberta o ano todo para os visitantes, sempre com o intuito de educar. No momento da concepção do centro, inaugurado em 2017, a ideia era fazer um lugar com uma “vibe” positiva para evitar as reações hostis.

A construção da usina custou 10 milhões de yens (cerca de R$ 340 milhões). “É super limpo aqui, não sentimos nada”, afirma Yukiko Ota, dona de casa de 49 anos, surpresa com a quantidade de itens que não podem ser queimados. “Impomos esse fardo a uma outra cidade. Então devemos tentar reduzir os resíduos que produzimos”, diz.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.