Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 15/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/06 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 15/06 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 15/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/06 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Coreia do Norte e China iniciam 2019 com mensagens aos EUA

Coreia do Norte e China iniciam 2019 com mensagens aos EUA
 
Em sua mensagem de Ano Novo, o líder norte-coreano, Kim Jong-un, deixou de lado seu tradicional traje de inspiração maoísta e apareceu de terno e gravata. KCNA/via REUTERS

Depois dos fogos e das celebrações, a Ásia dá inicio a um novo ano de delicadas relações diplomáticas em meio a uma guerra comercial entre China e Estados Unidos e a um processo de reaproximação entre as Coreias. Os discursos de Ano Novo do líder norte-coreano, Kim Jong-un, e do presidente chinês, Xi Jinping, dão algumas pistas do tom da política externa desses dois atores centrais na região.

Da correspondente em Hong Kong

Depois dos fogos e das celebrações, a Ásia dá inicio a um novo ano de delicadas relações diplomáticas em meio a uma guerra comercial entre China e Estados Unidos e a um processo de reaproximação entre as Coreias. Os discursos de Ano Novo do líder norte-coreano, Kim Jong-un, e do presidente chinês, Xi Jinping, dão algumas pistas do tom da política externa desses dois atores centrais na região.

Kim Jong-un fez um pronunciamento ao vivo na manhã desta terça-feira (1) que pôde ser visto até na televisão sul-coreana. Desde 2013, ele retomou a tradição iniciada por seu avô e líder fundador da Coreia do Norte, Kim il-sung, de fazer um discurso de Ano Novo. De terno e gravata, e não usando seu habitual duas peças de inspiração maoísta, ele afirmou que pretende melhorar as relações com os Estados Unidos (EUA) e que está pronto para encontrar novamente o presidente americano, Donald Trump, a qualquer momento. Trump já tinha dito que uma nova cúpula entre os dois países poderia acontecer antes de fevereiro, mas, por enquanto, nada foi confirmado.

Kim reforçou que declarações e acordos feitos na sequência do encontro com Trump, em Singapura, tinham como objetivo avançar rumo à desnuclearização completa da península coreana e que está comprometido com isso. “Não fabricaremos armas nucleares e não proliferaremos armas nucleares”, sublinhou. Mas fez um alerta sobre uma possível mudança de planos. “Se os EUA não cumprirem suas promessas feitas diante do mundo inteiro e insistirem em sanções e pressões sobre nossa República, podemos ficar sem outra opção senão considerar uma nova maneira de resguardar nossa soberania e nossos interesses.”

O líder norte-coreano também exigiu que a Coreia do Sul ponha fim "a todos os exercícios militares com outras potências estrangeiras". Uma reivindicação antiga do regime, que considera as manobras militares sul-coreanas com os americanos como um ensaio para uma invasão do Norte. O pedido coloca ainda mais pressão na aliança de defesa entre EUA e Coreia do Sul. Ao mesmo tempo, ele prometeu dar continuidade aos projetos de integração entre as Coreias e indicou que quer uma declaração de paz encerrando formalmente a Guerra da Coreia.

O regime de Pyongyang defende que fez sua parte para mostrar a sinceridade do compromisso com a desnuclearização, já que suspendeu testes balísticos e nucleares e desmantelou plataformas de lançamento. Além disso, Kim se diz pronto para destruir de forma permanente a principal instalação nuclear do regime, se a Casa Branca tomar medidas equivalentes. Já os EUA falam em aliviar as sanções somente quando a desnuclearizaçao for completa e verificável.

Cooperação sino-americana completa 40 anos

No discurso de Ano Novo, o presidente chinês, Xi Jinping, voltou a falar das reformas internas do país. Xi prometeu que elas não vão estagnar e disse que a China enfrenta desafios e vai se abrir mais para o mundo. Pequim vem sendo pressionada para melhorar as condições de acesso ao mercado chinês para empresas estrangeiras.

Em 2019, a República Chinesa completa 70 anos. Xi não falou da guerra comercial travada com os Estados Unidos e que tem como pano de fundo uma disputa pela hegemonia tecnológica no mundo.

Mas Xi e Trump trocaram mensagens de felicitações nessa virada de ano, uma vez que em 2019 a abertura de relações diplomáticas entre China e EUA completa 40 anos. O presidente chinês afirmou que a “história provou que a cooperação é a melhor escolha para os dois lados”. Disse ainda que as relações sino-americanas tiveram altos e baixos nas últimas décadas, mas que vivem um momento importante.


Sobre o mesmo assunto

  • Coreia do Norte

    Kim Jong Un quer ir a Seul discutir desnuclearização

    Saiba mais

  • Linha Direta

    Por que as ambições tecnológicas da China assustam o Ocidente?

    Saiba mais

  • Ásia

    Xi Jinping celebra 40 anos de reformas econômicas e defende socialismo chinês

    Saiba mais

  • EUA/Japão

    Japão, o próximo alvo da guerra comercial norte-americana?

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.