Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 24/05 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 24/05 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 24/05 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/05 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/05 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/05 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/05 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/05 09h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Irã apresenta orçamento anual adaptado às sanções americanas

media O presidente irianiano, Hassan Rohani, na ONU, em Nova York, em 26 de setembro 2018. REUTERS/Brendan Mcdermid

O presidente iraniano Hassan Rohani apresentou nesta terça-feira (25) no Parlamento o primeiro orçamento anual desde o retorno das sanções americanas e afirmou que o projeto foi adaptado para enfrentar as medidas "cruéis" de Washington.

Rohani anunciou um aumento de 20% dos salários do funcionalismo público, apesar dos desafios econômicos impostos ao país desde o anúncio, em maio, da retirada dos Estados Unidos do acordo nuclear de 2015.

A retomada das sanções de Washington contra o setor petroleiro e financeiro iraniano em novembro agravou ainda mais a difícil situação econômica do país.

"O orçamento para 1398 (próximo ano do calendário iraniano) foi elaborado de maneira proporcional às cruéis sanções americanas", afirmou Rohani durante seu discurso no Parlamento.

O orçamento não menciona o número de barris de petróleo que o Irã espera vender durante o próximo ano fiscal, que começa em março. O setor de energia, vital para a economia do país, está sob embargo.

De acordo com analistas, as vendas podem registrar queda em comparação com os 2,5 milhões de barris vendidos por dia antes da saída americana do acordo nuclear.

Washington autorizou oito dos principais países importadores de petróleo iraniano - entre eles, China, Índia e Turquia - a seguir comprando de maneira temporária. A medida, no entanto, é uma faca de dois gumes para Teerã, porque contribuiu para a queda dos preços do combustível.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.