Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 13/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 13/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 13/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 13/12 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 13/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 13/12 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 09/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 09/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Mundo

Opep confirma corte de 1,2 milhão de barris de petróleo em 2019

media Ministro russo da Energia, Alexander Novak, Ministro do petróleo do Emirados Arabes, Suhail Mohamed Al Mazrouei e o secretário geral da Opep, Mohammad Barkindo, durante reunião na sede da organização em Viena, na Áustria. 7/12/2018 REUTERS/Leonhard Foeger

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e seus aliados, entre eles a Rússia, concordaram nesta sexta-feira (7) em reduzir sua produção em 1,2 milhão de barris diários (mdb) para tentar controlar os preços. O anúncio foi feito pelo ministro iraquiano do Petróleo, Thamer Abbas al Ghadhban, após uma reunião em Viena, na Áustria.

Ghadhban afirmou que a redução será de 800 mil barris diários nos 14 países membros da Opep e de 400 mil nos países parceiros. Essa baixa será calculada a partir dos níveis de produção de outubro e será fiscalizada em abril, declarou o porta-voz da reunião, Tafal al-Nasr.

A incerteza tinha marcado o primeiro dia de reunião, após declarações pessimistas do peso-pesado do cartel, a Arábia Saudita. "Não, eu não acredito" que se alcance um acordo, admitiu na quinta-feira (6) o ministro da Energia da Arábia Saudita, Khaled al-Faleh, após um primeiro dia de negociações em Viena.

Mas a realidade bateu à porta quando os ministros constaram que há mais oferta que demanda. Os preços tinham caído mais de 30% em dois meses. Antes do fim da reunião, os preços do barril de petróleo nos mercados de Londres e Nova York já subiam cerca de 5%.

Chegar a um acordo não foi simples. O ministro russo da Energia, Alexander Novak, lembrou que, no inverno, as "condições climáticas na Rússia tornavam muito mais difícil de reduzir [a produção] do que para outros países".

A Opep e seus aliados garantem cerca da metade da produção mundial de petróleo bruto e estão ligados por uma parceria iniciada há dois anos.

Pressão de Washington

Por sua vez, a Arábia Saudita deve enfrentar a pressão dos Estados Unidos, numa posição enfraquecida pelo assassinato do jornalista Jamal Khashoggi no consulado saudita em Istambul.

Antes da reunião em Viena, o presidente americano Donald Trump, que pressiona a Opep há meses, pediu à organização para não aumentar os preços, preocupado com os consumidores americanos.

O ministro saudita respondeu na quinta-feira que Washington "não está em posição de dizer o que devemos fazer". "Eu não preciso da permissão de ninguém para diminuir" a produção, acrescentou.

Rival político de Riade e terceiro maior produtor da Opep, o Irã propôs um corte de mais de 1 mdb, embora reclame uma isenção para si de qualquer redução por já estar submetido às sanções dos Estados Unidos.

 
O tempo de conexão expirou.